Estréia 'Serras da Desordem', de Andrea Tonacci

Filme de Andrea Tonacci conta história do massacre e fuga de Carapiru, e o reencontro à suas origens

Luiz Carlos Merten, de O Estado de S. Paulo,

08 Março 2026 | 15h40

Quando assistiu a Bang Bang em Paris, em 1971, o então correspondente do Estado na Europa, Novais Teixeira, definiu Andrea Tonacci como um cineasta de bossa. "Tudo lhe sai de dentro com aquela espontaneidade exuberante das coisas que se pensam, meditam e congeminam. Bang Bang é uma mescla de Mack Sennett, chanchada nacional e commedia dell’arte", dizia o crítico. Há um culto a Tonacci no cinema brasileiro. Bang Bang foi um filme que marcou muita gente no começo dos anos 70, mas hoje o próprio diretor acha que ele ficou datado. "Não me surpreende mais." Assista ao trailer de 'Serras da Desordem' Ninguém é melhor analista da própria obra do que Andrea Tonacci. Exatamente 37 anos depois de seu filme que virou marco do que se chamou de cinema marginal, ou ‘udigrudi’, ele está de volta com outro filme com vocação para cult - Serras da Desordem dividiu o Kikito de melhor filme do Festival de Gramado de 2006 com Anjos do Sol, de Rudi Lagemann. O outro filme estreou rapidamente, tão rapidamente como foi esquecido pelo público e pela crítica. Tonacci esperou um ano e meio para lançar Serras da Desordem em São Paulo. O motivo foi simples - o diretor não tinha dinheiro para o lançamento. O próprio filme foi feito com pouquíssimos recursos. Quando conseguiu reunir a verba mínima para o lançamento, a data que surgiu era dezembro. A conselho de amigos (e distribuidores), Tonacci transferiu a estréia para março, e ela ocorre amanhã. No fim do ano, para cumprir seu contrato com a empresa produtora, Tonacci lançou Bang Bang em apenas uma sala de Belo Horizonte, onde o filme permaneceu um mês em cartaz. Finalmente agora você poderá acompanhar a saga de Carapiru, interpretada pelo próprio. Entrevistado pelo repórter do Estado na terça-feira, 25, à tarde, Tonacci situou a origem de Serras no seu interesse pela questão indígena, que sempre o motivou - "essa coisa do desrespeito pelo outro, em geral." Mas as motivações e o resultado foram muito mais complexos, como ele é o primeiro a admitir. Tonacci ouviu falar pela primeira vez da história de Carapiru pelo indianista Sidney Possuelo, que lhe contou, em 1993, a saga do índio cuja família foi massacrada e ele nunca desistiu de reencontrar o filho, único sobrevivente da chacina, nem de voltar para a terra de seus ancestrais. O filme conta, linearmente, a história do massacre, a fuga de Carapiru, o reencontro com suas origens, a volta. Mas essa linearidade não é tão fácil quanto pode parecer. Serras da Desordem possui uma linguagem complexa. Como Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho, e Santiago, de João Moreira Salles, situa-se nas bordas do documentário e da ficção. A idéia inicial do diretor era fazer uma ficção, como em Bang Bang, mas ele tinha pouco dinheiro. "Teria de construir uma aldeia para destruir; o filme já tem muitos deslocamentos; o custo começou a crescer." A decisão de fazer um documentário próximo da ficção barateou num sentido e enriqueceu em outro o projeto - e é certamente um dos elementos responsáveis pela paixão que críticos jovens (principalmente) têm pelo filme e seu autor. O importante é que a história de Carapiru veio a calhar, num determinado momento da vida e da obra de Tonacci. Como Gustave Flaubert, falando de sua mais célebre criação - Madame Bovary -, ele também poderia dizer que Carapiru "sou eu". Passaram-se 15 anos desde que Possuelo contou a Tonacci a história de Carapiru. No intervalo, o cineasta tentou viabilizar outros projetos. Seu preferido era Agora Nunca Mais, que já tratava do massacre de um marginal na cidade grande e de um pai em busca do filho. Parceira, na arte e na vida, de Tonacci, a montadora Cristina Amaral contribuiu para sua decisão de fazer Serras da Desordem. "Ela dizia que o filme sairia mais barato, mas também tinha muito a ver com um sentimento que me consumia." Tonacci trabalhou muito com a questão indígena nestes quase 40 anos decorridos desde Bang Bang, em 1971. "É muito séria essa questão de desrespeito pelo outro, de maneira geral. E o índio representa o verdadeiro brasileiro, briga pelas coisas dele, não deixa as pessoas dizerem como ele tem de viver." Quando Sidney Possuelo lhe contou a história - e ele conheceu Carapiru -, Tonacci atravessava um momento complicado. "Estava longe da mulher, dos filhos, tinha um menino de 9 anos. Era difícil para mim passar a viver separado, vendo eles só de vez em quando." A história de Carapiru bateu no diretor porque veio a calhar. "Havia ali um sentimento de perda com esperança de reencontro que eu conheci como o que eu próprio estava vivendo. Era um sentimento sobre o qual eu conseguiria falar, porque o que Carapiru vivenciara era o que eu estava sentindo. Claro, ninguém massacrou minha família, as histórias eram diferentes, mas a emoção era a mesma." A história de Agora Nunca Mais também tinha a ver com pai e filho, com separação, mas a de Carapiru se revelou mais adequada. Em 1995, Tonacci já estava escrevendo o roteiro, mas pensava numa ficção. A opção pelo documentário veio depois. A de mesclar preto-e-branco e colorido, digital com 35 mm, também. "O filme tem muitas imagens de TV e eu não queria dividir, dizer que isso é TV e isso é cinema. Nosso olhar está cada vez mais acostumado com essa questão do digital. Até os filmes que a gente vê são transferidos para (ou de) uma captação digital. Usei o 35 mm para obter uma definição que queria que ficasse impressa e o preto-e-branco e a cor para marcar o tempo. Mas não queria a separação tradicional, cor, presente, preto-e-branco, passado. É mais uma maneira de dizer que a situação continua, que não mudou nada." Cristina Amaral é responsável por um bloco de cenas que lança a história de Carapiru no contexto da história do Brasil. "Não foi uma invenção a posteriori. Estava previsto no roteiro. Resumimos ali 20 anos da história de Carapiru e do Brasil. A única imagem anterior é a de Marighella morto no carro, que virou um simbolismo da derrubada da floresta e da queda de um tronco muito grande, como era aquele homem." Em vários momentos, Carapiru se expressa na sua língua, que não é traduzida e, no fim, sua fala ainda é obscurecida pelo ruído do avião - que é um dos raros efeitos de Serras da Desordem, já que foi inserido, ali, digitalmente. "A fala, em si, não é importante. A gente não precisa ouvi-la para entender o sentimento. O mais importante é que aquele estranhamento é o meu. Procurei ser o mais fiel possível à história e à experiência de Carapiru, mas, no limite, o filme não é sobre a aculturação do índio, mas sobre a nossa aculturação num mundo em que os valores vão perdendo sentido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.