Estréia O Segredo de Brokeback Mountain

Indicado para oito Oscars, incluindo melhor filme, diretor (Ang Lee), roteiro adaptado (Larry McMurtry e Diana Ossana), ator (Heath Ledger) e ator coadjuvante(Jake Gyllenhaal), O Segredo de Brokeback Mountain estréianesta sexta-feira nos cinemas brasileiros, escorado na condição defavorito na edição deste ano dos prêmios que a Academia de Hollywood vai outorgar aos melhores de 2005. Somando-se a isso a aura de escândalo que lhe garante a reputação de western gay, Brokeback Mountain antecipa-se como um sucesso de público e crítica. É merecido. Por mais que se possa achar excessiva a valorização do filme, ele é bom, muito bom.No começo de sua carreira, em filmes como A Arte deViver, Banquete de Casamento e Comer, Beber e Viver,produzidos em Taiwan, Ang Lee tratou do homossexualismo e daspossibilidades de integração social de personagens culturalmentecondenados à condição de outsiders. Mais tarde, quando começou afilmar em língua inglesa, ele disse que encontrou seu verdadeirotema - Razão e Sensibilidade não fornece só o título para umde seus filmes mais prestigiados. É a própria súmula do conflitoque vivem os personagens de Ang Lee (e o próprio autor). Osfilmes orientais podem tratar de temas barra-pesada, mas sãoleves, divertidos. Com todas as dificuldades que enfrentam seuspersonagens, Ang Lee acredita na ironia como uma chave para aintegração. O tom ficou mais sombrio quando ele fez seu primeirofilme americano, Tempestade de Gelo, e mais recentementeHulk, sobre o qual os críticos caíram matando, mas, claro,eles não entenderam nada.O Segredo de BrokebackMountain não é um western, embora trabalhe sobre elementosdessa cultura, exatamente como Cavalgada com o Diabo, que opróprio Ang Lee realizou em 1999 e no qual a amizade de TobeyMaguire e Skeet Ulrich se refere obviamente ao afeto de doiscaras que não saem do armário. (Os críticos também nãoentenderam.) Ang Lee teve problemas com seus produtores emCavalgada e Hulk. Vai agora à forra e deve receber o Oscarque não lhe foi dado quando Comer, Beber e Viver foi indicadopara a estatueta de melhor filme estrangeiro de 1994.Rótulo - O rótulo de western gay aplicado a BrokebackMountain é simplificador e não abarca a complexidade do filme.O contexto não é o do Velho Oeste, os caras não são pistoleiros,mas pastores de ovelhas. Não são nem mesmo gays, pelo menos nadefinição que normalmente se aplica a pessoas com preferênciassexuais homo. Os dois pastores de Brokeback Mountain embarcam numa viagem que não conseguem administrar. Estão ali na montanha, na barraca, de noite. De repente, estão enlaçados para toda a vida. Amam-se, mas não podem viver juntos.Constroem famílias, mas permanece sempre o vazio, que é o temade Ang Lee.O Segredo de Brokeback Mountain (Brokeback Mountain, EUA/2005, 134 min.). Drama. Dir. Ang Lee. 16 anos. Em grande circuito. Cotação: Bom

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.