Estréia "O Guia dos Mochileiros das Galáxias"

O filme O Guia do Mochileiro das Galáxias é uma transcrição fiel do primeiro livro da série criada pelo escritor inglês Douglas Adams, composta de cinco volumes - três já lançados no Brasil, inclusive o primeiro, O Guia do Mochileiro das Galáxias. Tanto livro como filme começam quando o pacato Arthur Dent (Martin Freeman, o Tim Canterbury do seriado The Office) acorda com tratores à porta de sua casa. Querem demoli-la para a construção de uma via expressa. O dia, que teve um início nada bom, fica pior quando seu amigo Ford Prefect (o rapper Mos Def) vem avisá-lo do fim iminente do planeta. Uma raça de alienígenas burocratas chamada Vogon vai destruir o planeta. O motivo? A construção de um via expressa espacial. Junto com Ford - que na verdade é um redator do Guia do Mochileiro das Galáxias, um livro com "todas as coisas que você precisa saber" -, Arthur viaja pelo universo, acidentalmente encontrando o presidente da galáxia, Zaphod Beeblebrox (Sam Rockwell) e a outra terráquea sobrevivente Trillian (Zooey Deschanel). O humor inerente à série deixaram o guia com cara de filme do Monty Python. Não por acaso. Douglas Adams, depois de fazer sucesso com a série de seis partes na BBC Radio (O Guia do Mochileiro nasceu no rádio antes de virar livro) foi convidado por Graham Chapman, membro do grupo cômico inglês, a escrever esquetes para o Monty Python e até chegou a fazer aparições relâmpago em episódios na TV. O Guia ainda foi adaptado para a TV em 1981. Até morrer, em 2001, aos 49 anos, Adams participou ativamente das decisões referentes à adaptação para o cinema. Ele reescreveu o roteiro para que Humma Kavula (John Malkovich), que nem aparece no livro, ganhasse destaque como líder de uma religião que acredita que o Universo foi criado por um ser superior, o Megarresfriadon Verde. O filme é dirigido pelo estreante em longas Garth Jennings, cujo principal trabalho anterior havia sido o clipe da música Coffee and TV, do Blur, aquele em que uma caixa de leite se perde pela cidade. Jennings tem o mérito de dar um visual compatível com o livro e achar soluções engenhosas para os personagens, como fez com as duas cabeças de Zaphod. E mesmo sem a estatura pop de um Star Wars, o Guia tem um legado nada desprezível. O nome do disco Paranoid Android, do Radiohead, foi inspirado em Marvin, o robô depressivo da série. E Babelfish, o mais popular site de traduções da internet, é homônimo do peixe tradutor dos livros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.