Estréia "O Bicho Vai Pegar" , 1.ª produção da Sony Animation

Primeira produção da Sony Animation, o novo braço de animação dos estúdios Sony, "O Bicho Vai Pegar" marca também a volta à animação de Roger Allers, o diretor de "O Rei Leão", um dos últimos grande exemplares da animação convencional. Allers assina o filme com Jill Culton e Anthony Stacchi, que recebe o crédito de co-diretor. Inspirado nas tiras cômicas de Steve Moore e John Carls, "In The Bleachers", conta a história de um urso domesticado que tem de se readaptar à vida selvagem quando o mandam de volta para a floresta. Não se pode dizer que o novo estúdio começou com o pé direito, mas o filme guarda algumas boas lições sobre respeito à natureza, personagens originais e engraçados e uma série de piadas que conseguem arrancar boas gargalhadas.Na versão original, o urso cinzento Boog ganhou a voz do comediante Martin Lawrence; o cervo Elliot ficou com o tom meio histérico de Ashton Kutcher (That´s 70 Show); Beth, a treinadora e animadora do parque zoológico local, recebeu os traços e a voz de Debra Messing, e o fanático caçador Shaw ficou com a voz rouca e um tanto gutural de Gary Sionise. A versão em português não tem vozes célebres, mas um time de atores e dubladores profissionais que atuam há décadas. Apesar de ser um urso cinzento e o mamífero americano mais temido, Boog vive como um pacato animal de estimação. Quem cuida dele é a animadora de um parque zoológico, Beth, que o trata quase como se fosse um filho mimado. Quando a temporada de caça está para começar, surge o cervo Elliot, caçado irregularmente por Shaw. Boog salva Elliot, que vai atrás do urso e o tira de sua rotina, causando pânico na pequena cidade. Por isso, a dupla é enviada para a floresta, onde poderá ficar mais à vontade e causar menos estragos. Ao menos, essa é a perspectiva dos humanos.O diálogo entre os animais mostra que Boog perdeu o instinto e não se encaixa mais no cenário idílico. Quando a temporada de caça começa, ele se torna um alvo fácil para os caçadores. No entanto, o espírito de grupo que se abate sobre os animais faz com que se unam para dar uma lição nos humanos e deixá-los assustados com a possibilidade de voltarem para a floresta. É uma lição politicamente e ecologicamente correta repleta de incorreções políticas e até ecológicas, como a caracterização francesa dos patos neuróticos de guerra ou a roupagem de irlandeses provocadores e briguentos impressa ao grupo dos esquilos.Com uma arte muito sofisticada, "O Bicho Vai Pegar" deve encher os olhos da criançada e divertir os adultos com suas piadas de duplo sentido. ?Quisemos fazer desenhos de traços fortes e com linhas bem definidas para mostrar a força e a delicadeza dos animais?, disse ao JT o diretor Roger Allers. ?Animação por computador é muito diferente da convencional. Às vezes, sinto muita falta de desenhar. Mas sempre estou com um lápis para fazer um esboço e mostrar aos técnicos como quero fazer as coisas.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.