Estréia no Rio "Uma Paixão em Florença"

Estréia nesta sexta no circuito carioca Uma Paixão em Florença (Up at the Villa). Quarto filme do diretor Philip Haas (Jogando com a Sorte, Anjos e Insetos, Blood Oranges), tem como cenário Florença, na Itália, em 1938, às vésperas da Segunda Guerra Mundial. O roteiro é de sua mulher Belinda Haas, adaptado do romance homônimo de Somerset Maugham.O longa é centrado na história da viúva Mary Panton (Kristin Scott Thomas) que vai viver na Itália numa comunidade de expatriados ingleses e acaba se envolvendo por uma noite com um jovem violinista (Jeremy Davies), refugiado da Áustria anexada por Hitler. Por influência de uma história contada por sua amiga, a princesa San Ferdinando (Anne Bancroft), e também por pena, ela decide entregar-se ao rapaz. Mas ele volta na noite seguinte para declarar-lhe seu amor e, sendo rejeitado, mata-se no mesmo quarto onde tudo começou. O fato faz com que ela se aproxime de Rowley Flint (Sean Penn), um americano recém-chegado ao país, que lhe ajuda a livrar-se do corpo e disfarçar as evidências de sua relação com o suicídio. Os dois acabam se envolvendo mesmo com Mary prestes a se casar com o respeitável Sir Edgar Swift (James Fox).Uma Paixão em Florença tem um grande atrativo: o elenco. Kristin Scott Thomas (O Paciente Inglês) roubaria a cena - com sua Mary frágil, mas capaz de reações surpreendentes - não fosse o senso de humor mordaz de Anne Bancroft (Nunca te vi...Sempre te Amei), no papel da princesa. Destaque para o cinismo sedutor de Sean Penn (Não Somos Anjos), que nas poucas cenas em que aparece consegue criar o personagem mais interessante do filme.São grandes atuações para um roteiro que escorrega em todos os clichês das histórias de amor: o beijo para despistar, que acaba envolvendo os dois fugitivos, a dúvida entre a paixão e a segurança material, a amiga conselheira ... Tudo isso enquadrado numa fotografia de grandes planos valorizando a beleza, quase óbvia, da Florença da década de 30.

Agencia Estado,

03 de agosto de 2000 | 19h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.