Estréia no Rio destaque de Gramado

Esperanza (Dolores Heredia) é uma mulher católica, alegre e simples, que vive com a filha Blanca (Maya Zapata) e uma amiga num pequeno povoado de Veracruz, no litoral pacífico do México. Certo dia, depois de realizar uma operação nas amídalas, Blanca morre infectada por um vírus fatal. Esperanza tem a tristeza de enterrar a filha adolescente num caixão lacrado. No dia seguinte, uma imagem de São Judas Tadeu aparece dentro do fogão e lhe avisa: "sua filha não está morta".Motivada por esse santo presságio, Esperanza sai em busca de sua filha, e os acontecimentos de sua epopéia nos são contados no singelo filme Santitos, de Alejandro Springall, que estréia neste fim de semana apenas nos cinemas cariocas.Trata-se do primeiro longa de Springall, o mesmo de Cronos, e Someone Else´s America. É uma estréia e tanto: já ganhou o prêmio de melhor filme latino do Festival de Cinema de Sundance e o prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema de Gijón, na Espanha. No último Festival de Gramado, Salvador Parra e Eugene Caballero receberam o merecido prêmio de direção de arte pelo filme. E foi injusto Dolores Heredia não ter dividido o prêmio de Melhor Atriz no festival, pois se mostrou espetacular na pele de Esperanza, personagem que já lhe havia rendido o prêmio de melhor atriz do Festival de Cartagena das Índias de 1999.Aliás, a personagem de Dolores chegou a render comparações na imprensa internacional com Dora, personagem de Fernanda Montenegro em Central do Brasil. Ambas saem numa viagem em busca de algo muito objetivo e, independentemente do sucesso, descobrem suas fraquezas no caminho, com a diferença de que Esperanza se deixa conquistar por estes sentimentos, enquanto Dora os renega até não agüentar mais.É esse processo de auto-conhecimento de Esperanza a parte mais cativante do filme. A personagem, que abandona o povoado ingênua e casta, descobre sua sexualidade freqüentando um bordéu, valoriza sua intimidade ao trabalhar numa casa de vouyerismo, até chegar em Los Angeles e se apaixonar pelo campeão de luta-livre interpretado por Alberto Estrella. Uma fantástica trajetória capaz de alimentar o bom humor do espectador com inteligência e eficácia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.