Estréia filme coreano cult "Casa Vazia"

Casa Vazia é um filme do diretor coreano Kim Ki-duk, o mesmo de Primavera, Verão, Outono, Inverno e Primavera, que lhe rendeu o prêmio de direção no Festival de Veneza do ano passado. A história de seu novo filme, é sobre um jovem sem domicílio fixo, que Tae-suk ocupa casas momentaneamente vazias, das quais se apropria e que abandona, deixando-as mais organizadas do que quando chegou. O filme Casa Vazia foi exibido na Mostra BR de Cinema do ano passado.Como se tivesse fobia da disfunção, Tae-suk lava louças e repara objetos danificados, especialmente relógios, cujo mecanismo reconstitui. Descoberto por uma garotas numa dessas casas, Tae-suk inicia uma estranha relação baseada no silêncio. Quase não existem palavras neste filme extremamente depurado e que equilibra leveza e profundidade. Uma coisa não exclui a outra, mas é preciso que nos venha um Kim Ki-duk para reativar essa lição dos grandes que parecia esquecida. Tae-suk e sua incapacidade de encontrar um lugar no mundo, discute a interação na sociedade global, consumista. A jovem na casa vazia leva uma existência infeliz. Une-se ao rapaz em busca de harmonia. Kim Ki-duk conta essa história só pela força das imagens. Kim Ki-duk, em Casa Vazia, prescinde das palavras e radicaliza na criação de imagens ritmadas, compondo um relato no limite do abstrato para mostrar como a imaginação pode ser uma arma para se suportar a realidade (mais do que para escapar dela). Kim Ki-duk, ainda tão jovem, é um filósofo da imagem. Há no seu cinema uma mistura de ternura, perversidade e até horror que faz dele uma experiência única.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.