Estréia em Madri o novo filme de Almodóvar

La Mala Educación (A má educação), o novo filme de Pedro Almodóvar, com o ator mexicano Gael García Bernal, teve hoje sua estréia de gala na capital espanhola, com a presença do diretor. O filme sobre os tormentos sexuais e psicológicos que sofrem os estudantes de uma escola católica deveria ter estreado na semana passada, mas o cineasta adiou a exibição, em função dos atentados terroristas de 11 de março."Temos vivido momentos duríssimos, de muita dor e por isso decidimos suspender todas as festividades", disse o cineasta. Sobre a vitória do partido socialistas nas eleições de domingo, o cineasta disse "Estou muito contente de voltar a viver num país solidário e livre e que voltou ao caminho da democracia".O filme chega na sexta, ao circuito comercial na Espanha, e vai abrir o 57.º Festival de Cinema de Cannes, em 12 de maio.Além de Almodóvar, assistiram à estréia os atores espanhóis Fele Martínez, Daniel Giménez Cacho, Javier Cámara, Francisco Boira e Lluis Homar. Faltou García Bernal, o ator de filmes conhecidos dos brasileiros, como Amores Perros, E Tua Mãe Também e O Crime do Padre Amaro, que está filmando nos Estados Unidos.Os três personagens principais de La Mala Educación se conhecem na década de 1960 e voltam a se encontrar anos mais tarde. No filme, segundo o cineasta, são evocados momentos de sua própria vida. "Tanto os anos de colégio como os anos 80 me marcaram e isto está no filme. Os anos 60 como tempos obscuros e os 80 cheios de cor e liberdade", disse Almodóvar, segundo uma agência de notícias espanhola.É o primeiro filme em que Almodóvar trata do tema do abuso sexual de menores por parte do clero. Ao comentar sobre seu desempenho ele disse: "Estou cada vez mais grave e também mais triste. Sou consciente da mudança, o que não sei é onde isso vai me levar".Almodóvar é o primeiro cineasta espanhol que ganhou o Oscar, por Tudo Sobre Minha Mãe, que conquistou o prêmio como melhor filme estrangeiro de 2000 e outro pelo roteiro de Fale com Ela, que ganhou o ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.