Estréia de "Hannibal" arrepia bilheteria nos EUA

Um dos assassinos mais assustadores da história do cinema está de volta para arrepiar o público. Estreou hoje nos Estados Unidos a continuação de O Silêncio dos Inocentes, batizada de Hannibal, e já promete quebrar recordes de faturamento. A previsão é de que a produção de Ridley Scott arrecade mais de US$ 50 milhões em seus primeiros três dias nas telas, batendo Guerra nas Estrelas: Edição Especial, que entrou em circuito em 1997 com arrecadação de US$ 35,9 milhões.Não é para menos. Hannibal é uma das mais aguardadas produções dos últimos tempos por ser o primeiro filme de Ridley Scott desde Gladiador e também por trazer Anthony Hopkins de volta ao papel do canibal Hannibal Lecter. Também é grande a curiosidade em torno do trabalho de Julianne Moore como a agente Clarice Sterling, do FBI.A saga de Hannibal durou vários anos. Desde que O Silêncio dos Inocentes tornou-se o filme mais falado da cerimônia do Oscar de 1993, uma seqüência era aguardada. Thomas Harris, o autor do livro original, demorou quase dez anos para concluir a nova história, cujos direitos foram comprados pelo produtor Dino De Laurentis por US$ 10 milhões antes de ficar pronto.Um momento crucial da produção aconteceu em 1999, quando Jodie Foster leu o livro e, chocada com a violência da história, anunciou que não queria reprisar seu papel. Jonathan Demme, que dirigiu o original, também disse que não estava interessado naquele tipo de história - Hannibal volta a explorar o canibalismo, mas com uma série de detalhes bizarros.Assim que Demme desistiu do projeto, Scott aceitou o desafio, convocando Julianne Moore para o papel que havia sido de Foster. A estrela de Boogie Nights Prazer Sem Limites entrou para o elenco ganhando um décimo do que Foster havia pedido (US$ 20 milhões) e com uma postura humilde. "Espero conseguir fazer pelo menos um pouco do que Jodie fez no primeiro filme", disse à imprensa americana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.