ESTRÉIA-Anthony Hopkins lança terceiro filme como diretor

O ator Anthony Hopkins, ganhador doOscar e com atuações em cerca de 100 filmes no cinema e na TV,procura um novo desafio, agora como diretor, no longa-metragem"Um Sonho dentro de um Sonho", que entra em cartaz em SãoPaulo, Rio de Janeiro e Recife na sexta-feira. É o terceiro filme de Hopkins como diretor. Ele tambématua, produz e assina a trilha sonora. O primeiro a dirigir,"Dylan Thomas: Return Journey" (1990), era uma cinebiografia dofamoso poeta galês, falecido em 1953. O segundo foi "Outono dePaixões" (1996), uma recriação da peça "Tio Vânia", do russoAnton Thecov. Em "Um Sonho dentro de um Sonho" -- nome tirado de umafrase do poeta Edgar Allan Poe (1809-1849) --, o ator e diretormuda completamente de estilo, arriscando-se em uma históriacomplexa, ambientada em realidades paralelas a partir daimaginação de um velho roteirista e escritor, Felix Bonhoeffer(Hopkins). Enquanto escreve um roteiro de suspense, Felix começa aconviver com a estranha sensação de ver na vida "real" pessoasque são personagens de sua história. Enquanto isso, no filme emprodução, observam-se inúmeros problemas no set. Também se vêem sequências do próprio filme baseado noroteiro de Felix, como uma cena particularmente tensa numalanchonete. Lá, dois bandidos (Christian Slater e JeffreyTambor) apavoram os funcionários e acabam matando um deles(Michael Duncan Clarke). Logo depois, o "morto" aparece diante da casa do escritor,exibindo um grande ferimento na cabeça e protestando: "Por quevocê me matou?" Há uma preocupação em fazer referências cinematográficas,como colocar na cena da lanchonete o próprio ator KevinMcCarthy, protagonista de "Os Invasores de Corpos" (1956),depois de uma conversa em que os dois bandidos discutiam aqueleantigo suspense. O produtor do filme (John Turturro) também aparece nomonitor do computador de Felix, sempre bravo e gritando --especialmente quando vê o roteirista cochilando. Afinal, o quese espera dele é que reescreva as cenas para que a produção emcrise possa continuar. Ironizando as tensões comuns de seu próprio ambiente detrabalho, Hopkins cria um filme que exige do público umaatitude especial, para que não se perca no emaranhado desituações estranhas. Há momentos em que esta história lembra "Medo e Delírio emLas Vegas" (1998), de Terry Gilliam, e vários filmes do diretorDavid Lynch. O próprio Hopkins, quando apresentou "Um Sonho dentro de umSonho" no Festival de Sundance de 2007, preferiu definir estetrabalho como "apenas uma pequena brincadeira" -- mas daquelasque requerem um senso de humor muito particular. (Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.