Estréia "A Fantástica Fábrica de Chocolate"

A Fantástica Fábrica de Chocolate, um clássico da literatura infantil do escritor inglês Roald Dahl, foi adaptado para o cinema pela primeira vez em 1971, com Gene Wilder no papel de Willy Wonka, o excêntrico confeiteiro e dono da maravilhosa fábrica de doces. Uma nova versão cinematográfica, com Johnny Depp sob a direção de seu amigo Tim Burton, estréia nesta sexta-feira, mais fiel ao livro do que a primeira versão, e marcada pela parceria de sucesso entre o diretor e o ator.Uma das principais apostas da Warner Bross. para o verão americano, A Fantástica Fábrica de Chocolate teve uma promoção à altura. Impedido de fazer com que Depp fosse aos Estados Unidos para dar entrevistas e falar sobre o filme, o estúdio resolveu ir onde o ator estava, nas Bahamas, filmando as partes 2 e 3 de Piratas do Caribe, sob a direção de Gore Verbinski, e montou um esquema de guerra para levar jornalistas a Nassau.De um filme a outro a história não muda muito. Willy Wonka, um famoso confeiteiro que se fecha sozinho em sua fábrica depois de ter seus doces copiados e segredos roubados, decide reabri-la para a visitação de cinco vencedores de um concurso e seus acompanhantes. Os felizardos terão que achar o cupom dourado em barras de chocolate Wonka vendidas no mundo inteiro. Charlie (Fred Highmore), um garoto muito pobre, cultiva o sonho de visitar a fantástica fábrica na qual um de seus avós, Joe (Favid Kelly), trabalhou há muito tempo. Mas seus pais (Noah Taylor e Helena Bonhan Carter) mal têm dinheiro para fazer o jantar para a família.Eventualmente, os cupons vão sendo encontrados, até que resta somente um em circulação. Depois de um alarme falso, Charlie encontra dinheiro na rua e decide apostar tudo em uma nova barra. A aposta o leva para uma tour pela misteriosa fábrica, acompanhado do avô e de outras quatro crianças e seus respectivos acompanhantes: Violet (Annasophia Robb), Veruca (Julia Wonter), Mike (Jordan Fry) e Augustus (Philip Wiegratz). Ciceroneados por Wonka, eles vão conhecer o segredo de como o confeiteiro conseguiu manter a fábrica funcionando durante tantos anos e passarão por um teste para ver quem o sucederá no comando.O filme começa de verdade quando as crianças cruzam a porta de entrada da fábrica. É também a senha para que a criatividade de Burton ganhe uma dimensão muito maior. E para os cenários coloridos e inspiradores das salas comestíveis, dos números musicais dos Oompa-Loompas (Deep Roy, que foi multiplicado digitalmente) e de uma série de outros mistérios revelados à medida que os concorrentes são eliminados.Além de se concentrar mais no livro, Burton vai adiante. Ele cria um passado para Wonka, que teria uma relação difícil com o pai, e para os Oompa-Loompas, que seriam originários de uma tribo selvagem. E vai adiante também na história de Charlie, que originalmente termina como o único que sobrou na saída da Fábrica de Chocolate. No filme, Burton entra no livro seguinte da saga do menino, Charlie e o Grande Elevador de Vidro. Para onde ele vai, só assistindo no cinema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.