Estamira ganha prêmio de documentário em Toulouse

O filme La Sagrada Familia, do diretor chileno Sebastián Campos, ganhou o Grande Prêmio Flechazo do 18.º Encontro de Cinema da América Latina de Toulouse, cidade do sul da França, cuja premiação foi anunciada hoje. Campos vai receber um prêmio no valor de 6.100 euros e uma ajuda na distribuição de seu filme naquele país. O prêmio de melhor documentário desta edição do evento ficou com o brasileiro Estamira, de Marcos Prado. O documentário argentino Si Sos Brujo - Una Historia de Tango de Caroline Neal, recebeu uma menção especial do júri.Estamira marca a estréia de Prado como diretor e já recebeu alguns prêmios, como o de melhor documentário da 26.ª Mostra BR de Cinema e o de melhor documentário nos festivais de Marselha, na França, de Karlov Vary, na República Tcheca e ganhou uma menção especial no Sutherland Trophy de Londres. Prado já havia participado ao lado do diretor José Padilha da produção de Ônibus 174 (2002). Estudou no Brooks Institute of Photography, na Califórnia, entre 1983 e 1986.Quem é EstamiraDona Estamira é uma senhora de 63 anos que trabalha há mais de 20 anos no Aterro Sanitário de Jardim Gramacho, no Rio. Apesar de seus surtos esquizofrênicos, tornou-se líder carismática da pequena comunidade de idosos que habitam o lixão. O documentário acompanhou, a partir de 2000, o tratamento ao qual Estamira se submeteu num centro psiquiátrico público e mostra, a partir de seu cotidiano, a transformação clínica e os efeitos dos remédios que teve que tomar. Mesmo vivendo no lixo, ela conseguiu superar sua condição miserável e ainda levantou diante das câmeras questões e valores há muito esquecidos na sociedade.Outros prêmios do festivalO filme peruano Madeinusa, de Claudia Llosa, ficou com o prêmio especial dos jurados. En La Cama, do chileno Matías Bize, considerado o favorito, acabou ficando com o Prêmio do Público. A crítica francesa decidiu conceder seu prêmio ao filme La Suerte Está Echada, do argentino Sebastián Borensztein.Entre os curta-metragens, o filme mexicano Dime Lo QueSientes de Iria Gómez ganhou o prêmio Signis, enquanto o prêmio Courtoujours ficou com o filme chileno Dos Icebergs, de AlvaroMuñoz.Na cerimônia de encerramento do festival será exibido hoje em sessão de pré-estréia, na França, o filme brasileiro Cinema, Aspirinas e Urubus de Marcelo Gómez, que conta a história de um alemão que em 1942 foge da guerra na Europa e passa a vender, com um jovem brasileiro, aspirinas no sertão.O júri, presidido pelo produtor e diretor da Fundação Cinemateca e Arquivo Visual do Paraguai, Hugo Gamarra, era composto também pelo espanhol Jorge Amat, pelo venezuelano Miguel Curiel e pelos franceses Arnaud Jalbert e Nathalie Trafford. Confira os prêmios do festival de ToulouseGrande Prêmio: La Sagrada Familia, de Sebastián Campos (Chile) Menção Especial do Júri: Madeinusa, de Claudia LLosa (Peru) Prêmio do Público: En La Cama, de Matias Bize (Chile) Prêmio Descobrimento: La Suerte Está Echada, de Sebastián Borensztein (Argentina) Prêmio Fipresci de Obra-Prima: La Sagrada Familia, de Sebastián Campos (Chile) Prêmio Signis de Documentário: Estamira, de Marcos Prado (Brasil) Menção especial de Documentário: Si Sos Brujo, una historia de tango, de Caroline Neal (Argentina) Prêmio Signis de Curta: Dime Lo Que Sientes, de Iria Gómez (México) Prêmio Courtoujours de Curta: Dos Icebergs, de Alvaro Muñoz (Chile) Menção especial do júri: Dime Lo Que Sientes, de Iria Gómez e A Sagrada Família, do chileno Sebastián Campos

Agencia Estado,

26 de março de 2006 | 12h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.