Divulgação
Divulgação

‘Esquadrão Suicida’ aposta nos bad guys para salvar o mundo

Longa chega aos cinemas do País nesta quinta-feira, 4

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2016 | 05h00

NOVA YORK - Durante dois dias de julho, sexta, 29, e sábado, 30, o estacionamento do gigantesco prédio do Correio dos EUA, na 8.ª Avenida com 23, abrigou a série de encontros da equipe de Esquadrão Suicida com a imprensa internacional. Foi numa réplica da cadeia que ‘esconde’ os criminosos mais brutais do mundo que o repórter conversou com o diretor David Ayer e seu fantástico elenco – Will Smith, Margot Robbie, Jared Leto, Joel Kinnaman, etc.

Esquadrão Suicida estreia nesta quinta, 4, em 1.405 salas de todo o Brasil. O filme reúne os vilões da DC Comics, recrutados pela chefe da inteligência dos EUA, Amanda Waller – a verdadeira mente criminosa do filme –, para formar o esquadrão do título. A ‘América’ está sendo atacada por uma entidade maligna poderosíssima e Amanda acredita que só um esquadrão de bad guys poderá vencê-la. David Ayer é o diretor de Guerra Civil Z e Corações de Ferro, dois megassucessos planetários de Brad Pitt. No Caderno 2 de domingo, 31, Will Smith foi sucinto – “Sempre gostei do gênero de super-heróis e trabalhar com David (Ayer) era um desejo antigo. David é um desses diretores que possuem uma visão (do mundo e do cinema). E, como diretor de atores, é fantástico.”

O próprio Ayer disse ao repórter o que há de atraente num filme sobre supervilões. “É essa possibilidade de fazer algo diferente com os super-heróis.” Ele riu quando o repórter observou que seus personagens são sempre siderados. Nem mocinhos nem bandidos. Todo mundo na área cinzenta. Mais do que Batman vs. Superman e como os esquisitões de Guardiões da Galáxia, Esquadrão tem potencial para estourar na bilheteria. O Coringa de Jared Leto, a Arlequina de Margot Robbie são emblemáticos. Ela é sexy, desbocada, violenta – e apaixonada. “Não sabia nada desse universo”, revelou. “Mas bastaram 20 minutos de conversa com David para me convencer de que tinha de fazer o filme.” O sucesso de Margot é tão grande que, de toda essa turma, Arlequina é a única que vai ganhar uma franquia própria. 

* O REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO ESTÚDIO

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaWill Smith

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.