Espírito independente deixa festival de Sundance

Críticos dizem que o Festival de Cinema de Sundance está ficando grande demais, comercial demais e muito focado em celebridades e estrelas hollywoodianas, em detrimento da descoberta de novos talentos. Sundance é o mais importante festival de cinema independente dos Estados Unidos, criado pelo cineasta e ator Robert Redford, justamente para ser uma alternativa a Hollywood.O diretor do festivalGeoffrey Gilmore rebate as críticas, dizendo que "Sundance é um lugar para se descobrir talentos e que atrai grande variedade de profissionais do cinema do que celebridades". Gilmore destaca o papel do festival na divulgação de documentários e lembra que foi por meio de Sundance que foram lançados os filmes Diários de Motocicleta, do brasileiro Walter Salles e o colombiano María Llena Eres de Gracia.O festival deu a largada nesta quinta, com a exibição da comédia Happy Endings (Finais Felizes) e prossegue por mais dez dias. Exibirá produções do México, Argentina Japão, Coréia do Sul, Dinamarca, Noruega e Austrália. Um total de 2.613 filmes foram inscritos para competir no aclamado festival (1.385 norte-americanos e 1.228 estrangeiros), 128 a mais do que o ano passado. Entre os astros hollywoodianos que deverão participar do festival, o veterano ator Pierce Brosnan ("James Bond") é o protagonista de uma comédia rodada no México, O Matador, dirigida e escrita por Richard Shepard. O ator Kevin Bacon estréia como diretor com o filme Loverboy, que tem sua mulher Kyra Sedwick e seus filhos no elenco. Naomi Watts estará en Chevy Chase. Robert Downey Jr. e Michael Keaton protagonizam o drama Game6, escrito por Don DeLillo. Laura Linney e Anna Paquin estão no drama sobre divórcio The Squid and the Whale. E estrelas do porte de Glenn Close, Sissy Spacek e Holly Hunter atuam em Nine Lives.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.