Don Emmert/ AFP
Don Emmert/ AFP

Escadaria do 'Coringa', no Bronx, atrai fãs do mundo inteiro

A avalanche de turistas no famoso bairro de Nova York tem causado polêmica entre os moradores da região

AFP, Agências

25 de outubro de 2019 | 13h17

Os 132 degraus que ligam a Shakespeare Avenue à Anderson Avenue, no bairro nova-iorquino do Bronx, estavam muito longe dos circuitos turísticos. Mas agora os visitantes chegam do mundo inteiro depois que viram Joaquin Phoenix ensaiar nesses degraus os passos de dança de seu personagem-título no elogiado longa-metragem Coringa.

"É enorme, é realmente enorme", diz Noa Angenost, um jovem turista francês. "Sou um super fã desde criança de todo o universo do Batman, e estou muito feliz em vir aqui, porque jamais tive a oportunidade de visitar locais de filmagens", explicou à AFP.

De férias com seu pai em Nova York, o adolescente aproveitou para ver pessoalmente o local onde foi filmada a cena de dança, "mítica" segundo ele. E para tirar fotos e fazer vídeos para o Instagram.

Os turistas fazem fila para posar perto do poste que aparece no pôster oficial do filme, deixando como pano de fundo as típicas escadarias de emergência de Nova York. Em um dos muros foi pintado o rosto pálido do Coringa, o melhor - e maior-, inimigo do Batman. "É ainda mais bonito do que no filme", comenta Tasula Ceballos, uma jovem russa que mora em Miami.

"Adoro quando os diretores filmam em locais reais", diz. "No geral eles gravam em estúdios, tipo Warner Bros, mas aqui foi um cenário real, podemos vir, pisar o chão". Ela só está decepcionada com o grande número de fãs, o que a impede de tirar as fotos como gostaria.

Mas esse fenômeno turístico não é do agrado de todos os moradores do bairro. Com uma bicicleta branca nos ombros, Elliott Raylassi tenta voluntariamente atrapalhar as sessões de foto dos turistas. "É o meu bairro e eu faço o que posso para defendê-lo", explica o jovem. "Foi um choque para nós, porque é a primeira vez que o Bronx se vê no centro dos refletores tão de repente. O filme foi lançado e em menos de uma semana as pessoas começaram a vir visitar um dos piores bairros das redondezas", completa.

"Em Nova York, quando um bairro começa a atrair a atenção dos turistas, começa a atrair também os corretores imobiliários e construtoras que começam a construir prédios luxuosos, pelos quais nós não podemos pagar", lamenta Raylassi. Já para Frankie Astacio, que mora do outro lado da rua, toda essa agitação tem um lado positivo. "É bom para o bairro, porque o torna mais atraente", afirma.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.