Erros e acertos da Berlinale 2004

Houve um princípio de vaia na sala de conferências do Hotel Hyatt quando a presidente do júri do Festival de Berlim deste ano, a atriz Frances McDormand, começou a anunciar os prêmios, no sábado à tarde. O Urso de Prata para a melhor música premiou o filme italiano Primo Amore, de Matteo Garrone, que teve as piores críticas do festival. Mas logo os aplausos se superpuseram às vaias. Os dois Ursos de Prata para o filme argentino El Abrazo Partido marcaram a virada. O prêmio de melhor atriz para Charlize Theron, por Monster, não chegou a ser surpreendente, mas Frances fez questão de dizer que era um reconhecimento ex-aequo. Charlize o dividiu com a colombiana Catalina Sandino Moreno, de Maria Llena de Gracia. E houve muitos aplausos quando Frances anunciou o Urso de Ouro para Head On, uma co-produção entre Alemanha e Turquia, dirigida pelo cineasta alemão de origem turca Fatih Akin. Essa, sim, uma decisão surpreendente, mas que em momento algum foi contestada. Afinal, Head On também ganhou o prêmio da Fipresci, a Fédération Internationale de la Presse Cinématographique. Foi duplamente o melhor filme, para o júri e para os críticos. A surpresa deveu-se ao simples fato de que o júri foi contra o que seria o óbvio. Um Urso de Ouro para The Weeping Meadow seria o sonho do diretor grego Theo Angelopoulos. Primeira parte de uma trilogia sobre a história de uma mulher no século 20, o filme é deslumbrante, mas ao invés de apostar em nomes consagrados, o júri oficial lançou suas fichas em talentos em busca de reconhecimento. O filme vencedor conta a história de uma jovem turca que propõe um casamento de conveniência a um compatriota que leva uma vida caída na Alemanha. Ela não o ama. Quer só se libertar da influência repressora da família. O amor termina surgindo entre eles, marcado por tensões sociais e culturais, porque a família vive segundo tradições ancestrais e a Alemanha não é muito generosa com esses imigrantes. Quer dizer - termina sendo, pois Fatih Akin fez seu filme na Alemanha, com dinheiro alemão e ganhou o Urso de Ouro. A Berlinale de 2004 teve as suas decepções - o filme de John Boorman, Country of My Skull, por exemplo. Teve filmes ruins, como Primo Amore, ou difíceis, como o alemão Nightsongs, de Romuald Karmakar. Foi o mais vaiado da competição, um filme fassbinderiano radical. O júri talvez só tenha errado ao atribuir o prêmio Alfred Bauer para Maria Llena de Gracia, como um filme particularmente inovador. Fala de uma garota colombiana que trabalha como mula, transportando drogas para os EUA. A atriz Catalina Sandino Moreno é tão linda quanto talentosa e vale o filme. Marston impressiona com um lado quase documentário sobre o seu tema, mas seu filme não é inovador e, no desfecho, nega a latinidade da protagonista. Marston é americano. Seu filme bate na tecla da América como paraíso de imigrantes. Em que mundo ele vive?Veja galeria de fotos

Agencia Estado,

16 de fevereiro de 2004 | 17h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.