ENTREVISTA Robert Redford diz que YouTube não substitui cinema

O ator e cineasta Robert Redfordelogiou sites populares de partilha de vídeos, como o YouTube,mas disse que o conteúdo de qualidade ainda vem de filmespropriamente ditos. "Estou do lado do conteúdo", disse ele na quarta-feira noCongresso Mundial de Telefonia Celular, em Barcelona. "Atecnologia precisa dela, mas o que diferencia o joio do trigo éa qualidade." "O YouTube e sites desse tipo favorecem a democratização,mas existe muita porcaria aí fora." Redford e a associação da indústria de telecomunicações GSMlançaram em novembro de 2006 um projeto de produção decurtas-metragens para celulares. Até agora, disse Redford, 71 anos, já foram produzidoscinco curtas. O cineasta premiado com o Oscar, que fundou o InstitutoSundance de Cinema para incentivar o cinema independente, disseque assiste a filmes em seu celular e que arte e tecnologia nãoprecisam se excluir. "Quanto mais a arte se fundir com a tecnologia, mais elavai impulsionar a tecnologia", disse Redford à Reuters. Ele disse que, embora o entretenimento nos celulares possater um efeito isolador, está convencido de que as pessoassempre vão precisar da interação social e vão procurá-la. "Existem inúmeros usos para os celulares, mas eles nãopassam de outra forma de comunicação humana", disse Redford. Indagado que filme recente lhe causou impacto duradouro,Redford citou "O Escafandro e a Borboleta", de 2007. O filme descreve a vida de um homem de 43 anos depois de umderrame deixá-lo paralisado, de modo que o único modo decomunicação que lhe resta consiste em piscar com seu olhoesquerdo. "Dava para sentir a agonia dele", comentou o cineasta. Sobre seus próprios filmes, Redford disse que há momentosmemoráveis demais para dizer qual é seu favorito. "O que mais me impressiona ou satisfaz é ter feito filmesque me disseram que não poderiam ser feitos. Isso me satisfezprofundamente." O diretor acrescentou que não tem interesse ou paciênciapara fazer sequências, porque existem tantas históriasoriginais a serem contadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.