ENTREVISTA-Ganhador de Cannes elogia engajamento de seus atores

O cineasta Laurent Cantet elogiou oengajamento de seus atores não profissionais em "Entre lesmurs", longa-metragem pelo qual recebeu a Palma de Ouro do 61oFestival de Cannes, na noite de domingo. "A grande força do filme é a energia e a confiança que elesinvestiram nele", disse o diretor à Reuters. Obra de ficção com aparência de documentário, "Entre lesMurs" relata o ano escolar de uma classe do primeiro ano doensino médio do colégio Françoise Dolto, em Paris. Cantet também elogiou "a recepção calorosa que tivemos emCannes", no sábado, quando o filme foi exibido. "Foi um momento de emoção enorme, o fato de compartilharaquilo com os alunos e os professores, que estavam todos ali",disse ele. Os alunos que atuaram no filme de Cantet assistiram aofilme antes de ele ser exibido em Cannes, e o diretor confessouque não sabia como eles iriam reagir. "Eles viram o filme na semana passada, e pensei que seriauma projeção muito animada. Foi o que aconteceu durante cincominutos, mas então, de repente, todos caíram em silêncio." "ATORES ABSOLUTOS" "Eles ficaram verdadeiramente cativados pelo filme esentiram que falava deles, de seu mundo." "Tiveram a sensação de terem feito algo de importante --que não tinham sido apenas alguns momentos bons passadosjuntos, mas que tinha sido relatado algo que era caro a eles." François Bégaudeau, autor do romance que deu título aofilme e ator que faz o papel do professor, insistiu sobre anecessidade de que fosse evitado qualquer tipo desentimentalismo. "A melhor maneira de evitá-lo é procurar recriar assituações em sua complexidade", disse ele, acrescentando: "Meparece que o filme em nenhum momento ficou caricato." De fato, a câmera de Cantet se fez discreta e recriou asdiversas situações que um professor pode enfrentar com seusalunos, incluindo os conflitos, sem descambar para o melodrama. "Acho que é possível ser muito seco e criar emoção. Foi oque fez o filme, porque Laurent (Cantet) é como eu -- umapessoa bastante recatada, que jamais vai exagerar para criaremoção", explicou Bégaudeau. "Entre les murs" destaca a naturalidade. Cada alunorepresentou seu papel como parte de um trabalho desenvolvido aolongo dos meses, durante os quais funcionou um ateliê do qualpodiam participar os alunos que quisessem. "Acho que todo o mundo sabe representar. Estou convencidode que os adolescentes, especialmente, são atores absolutos",disse o diretor. "Essa é uma fase da vida em que se representa a vida, e anova geração talvez a represente mais ainda." "Essa geração foi formada pelo rap, por exemplo; é umageração que fala o jargão dos imigrantes árabes, porque é o queo rap faz, e é uma geração de atores, porque o rap é tambématuação... É uma geração que tem tudo isso na pele."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.