Entidade britânica condena propaganda de filmes com armas

Desde o início de 2007, a Autoridade de Padrões da Publicidade recebeu 1.748 queixas relativas a 523 anúncios

Michael Holden, da Reuters,

07 de novembro de 2021 | 11h26

O órgão regulador da publicidade na Grã-Bretanha deu aval na quarta-feira, 21, às queixas contra a glamourização das armas na campanha promocional de um filme de ação, em um momento de crescente preocupação da opinião pública com a violência juvenil. A Autoridade de Padrões da Publicidade (ASA, na sigla em inglês) manifestou apoio às 55 pessoas que reclamaram dos cartazes do thriller Shoot'Em Up ('Atire Neles'). Um dos anúncios mostra o ator Paul Giamatti apontando uma arma e falando ao celular, com a legenda: "Só mais um pai de família ganhando a vida". Em outro cartaz, o ator Clive Owen salta no ar, com uma pistola em cada mão, como se as apontasse para o espectador. Um grupo de Londres apresentou uma queixa, alegando que os anúncios glorificam os crimes com armas. Houve quem considerasse os cartazes ofensivos e insensíveis a parentes e vítimas de armas, como a família de Rhys Jones, um menino de 11 anos baleado e morto em uma rua de Liverpool. Sua morte, depois de uma série de outros homicídios de jovens, abalou o país e levou o primeiro-ministro Gordon Brown a prometer medidas. A distribuidora Entertainment Film, responsável pelos cartazes, disse não acreditar que haja glamourização da violência, e que no cartaz de Owen houve a preocupação de que as armas não apontassem para quem olha. A ASA, ao explicar sua decisão de que os anúncios não deveriam ser usados novamente, disse estar ciente da preocupação do público. Nesta semana, o órgão regulador disse ter havido um forte aumento das queixas contra anúncios que mostram ou insinuam violência. Desde o início de 2007, foram 1.748 queixas relativas a 523 anúncios. Em todo o ano passado, houve 1.054 reclamações contra 254 anúncios. A entidade realiza na quarta-feira um seminário para discutir a questão com debates sobre a exibição de armas de fogo e facas na mídia, sobre filmes de terror, videogames e a violência em geral.

Tudo o que sabemos sobre:
propagandaarmas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.