Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Empresas se especializam em seguros de filmes, a nova força do mercado

Já existem, inclusive, algumas organizações especializadas neste segmento operando no País

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2017 | 20h29

Você já deve ter ouvido falar de casos famosos, como a morte do ator Tyrone Power durante a filmagem de Salomão e a Rainha de Sabá, ou das doenças de Elizabeth Taylor que atrasaram as filmagens de Cleópatra e catapultaram o orçamento a níveis estratosféricos. No caso de épico bíblico de King Vidor, as filmagens ficaram paralisadas, enquanto o estúdio selecionava outro ator - que, só para constar, foi Yul Brynner. No caso de Joseph L. Mankiewicz, a Fox quase foi à bancarrota, e por um motivo que não deixa de ser paradoxal. Na época, o estúdio pagou à estrela o maior salário da indústria de Hollywood - US$ 1 milhão pelo papel. Como se não bastasse, o contrato previa adicionais caríssimos, se a filmagem se estendesse, o que ocorreu devido ao estado de saúde de Liz. No final, ela embolsou US$ 17 milhões, um valor que hoje não impressiona tanto, mas em 1963 era impensável.

Mais recentemente, na filmagem de Guerra nas Estrelas - O Despertar da Força, uma porta hidráulica da nave espacial Millenium Falcon foi fechada no momento errado e quebrou a perna esquerda do ator Harrison Ford. O incidente provocou uma investigação do departamento de Saúde e Segurança do Reino Unido, que aplicou uma multa de 1,6 milhão de libras na produtora da aventura espacial. E isso, claro, sem falar da morte de Paul Walker, aos 39 anos, faltando um mês para fechar 40, num acidente de carro durante folga das filmagens de Velozes e Furiosos 7. Para concluir a produção, o estúdio lançou mão do irmão do ator como dublê, retocando-o digitalmente num recurso muito caro. Há informação de que, só por causa disso, a produção ficou US$ 50 milhões mais cara. O sucesso internacional compensou o investimento, mas não foi só isso, não. Toda a produção estava coberta por seguro, um procedimento padrão em Hollywood, mas que só agora começa a se constituir em norma de filmes brasileiros. A moça bonita da foto tem a ver com isso. Midiã Borges é consultora de Riscos e Seguros para Entretenimento, Eventos, Esportes, Filmes e Obras de Arte da Aon Brasil.

“Fora do País, já virou um procedimento normal e aqui a gente já vinha segurando eventos como o Rock in Rio e grandes shows internacionais. O que ainda estamos desenvolvendo, para filmes, é esse conceito de que 1% ou 2% não vão encarecer a produção, mas em compensação oferecem uma cobertura que garante a tranquilidade de qualquer equipe.” O primeiro filme a se beneficiar desse novo estado de coisas foi o recente Soundtrack, da dupla 300 ml, com Selton Mello, Seu Jorge e o inglês Ralph Ineson. O diferencial é que a história supostamente se passa no Ártico, mas a produção foi inteiramente filmada em estúdio, com uma máquina que fabricava neve falsa, no Rio. “A Aon fez um estudo dos riscos envolvidos nas etapas de pré-produção, produção e pós-produção e desenhou o pacote de seguros. A seguradora escolhida foi a americana Chubb, uma das pioneiras no segmento.”

Midiã acrescenta que a apólice contratada oferece coberturas para acidentes pessoais, responsabilidade civil e riscos diversos. Também foram consideradas outras coberturas importantes como a perda acidental do HD em que o filme está armazenado e a proteção dos equipamentos cinematográficos. No final, nada ocorreu e a própria Midiã suspirou, aliviada. “Mas é que nem seguro de casa. Você faz para garantir, para não chorar depois do incêndio ou da inundação.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.