Empresários criam prêmio para cinema paulista

A indústria paulista estendeu a mão ao cinema produzido no Estado. Na sede da Fiesp foi anunciado ontem um conjunto de ações com o objetivo de despertar seus empresários associados para a importância de se investir no setor. Destas, a que mais chama a atenção é o 1.º Prêmio Fiesp/Sesi do Cinema Paulista, uma parceira com o Sindicato da Indústria Cinematográfica do Estado de São Paulo (Sicesp). "Queremos dar mais visibilidade ao cinema paulista e aproximá-lo da indústria", explicou o diretor-adjunto do recém-criado Comitê de Ação Cultural da Fiesp, André Sturm. "De modo geral, posso dizer que 95% dos nossos associados não investe em cinema por meio das leis de incentivo." O prêmio vai distribuir nesta primeira edição R$ 37 mil para filmes de produtoras paulistas nas categorias melhor longa-metragem, diretor, ator, atriz, roteiro e fotografia. Os três finalistas de cada categoria serão escolhidos por um júri popular. E para assegurar ao público o acesso aos filmes será organizada uma mostra entre os dias 7 e 17 de março, no mezanino do Teatro Popular do Sesi (Avenida Paulista, 1.313), com entrada gratuita. Concorrem 13 filmes produzidos em São Paulo durante o ano passado: 1,99 - Um Supermercado Que Vende (Marcelo Masagão), Cama de Gato (Alexandre Stockler), Cine Gibi (Maurício de Souza), Como Fazer Um Filme de Amor (José Roberto Torero), De Passagem (Ricardo Elias), Pelé Eterno (Aníbal Massaini), Viva Voz (Paulo Morelli), Garotas do ABC (Carlos Reichembach), À Margem da Imagem (de Evaldo Mocarzel), Contra Todos (Roberto Moreira), Nina (Heitor Dhália), O Prisioneiro da Grade de Ferro (Paulo Sacramento) e Acquária (Flávia Moraes). Em abril, o comitê lança outro concurso, para premiar projetos de documentários para a TV. Serão selecionados 8 roteiros, que receberão R$ 120 mil cada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.