Divulgação
Divulgação

Empate no Festival do Rio 2013

'O Lobo Atrás da Porta', de Fernando Coimbra, e 'De Menor', de Caru Alves de Souza, levam o Redentor de Melhor Filme

Flavia Guerra, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2013 | 08h41

E deu empate na premiação do Festival do Rio 2013. Pela primeira vez na história, dois longas levaram para casa o troféu Redentor. O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra, e De Menor, de Caru Alves de Souza, foram eleitos Melhor Filme pelo júri oficial. Mais que o ineditismo, a premiação, que ocorreu na noite de quinta, sinaliza uma nova safra de jovens realizadores que chega ao circuito com potencial de traçar uma bela carreira. Tanto Coimbra quanto Caru assinam seus primeiros longas-metragens. Outro grande vencedor da noite, Tatuagem, que já chegou ao Rio com o Kikito de Melhor Filme em Gramado na mala, marca a estreia na direção do roteirista Hilton Lacerda.

O filme levou o Prêmio Especial do Júrio, Melhor Ator Coadjuvante para Rodrigo García, Prêmio do Público, Melhor Longa Latino-Americano segundo a Fripresci e Melhor Ator para Jesuíta Barbosa. Esta categoria também teve premiação dupla e deu Menção Honrosa para Francisco Gaspar e sua cativante atuação como o soldado Piauí de A Estrada 47, de Vicente Ferraz. A saga dos pracinhas na campanha da Segunda Guerra Mundial levou ainda a Melhor Montagem (para Mair Tavares).

Já na categoria Melhor Atriz não houve dúvidas nem divisões. Leandro Leal, que neste ano estava  em quatro filmes do festival, foi eleita a Melhor Atriz por sua ótima atuação em O Lobo Atrás da Porta. O longa de estréia de Coimbra  narra a história de uma jovem (Leandra), que se apaixona  por um homem casado (Milhem Cortaz, também em ótima forma, em um de seus melhores papeis). Passado no subúrbio carioca, O Lobo é uma espécia de thriller dramático, tem direção segura, explora a linguagem cinematográfica com primor, ao mesmo tempo em que tem potencial para fazer carreira tanto no circuito de festivais (acaba de levar também o prêmio Horizontes da categoria Horizontes Latinos do Festival de San Sebastián) quanto nas salas comerciais. 

Já na direção, o Redentor foi para a ousadia estética e narrativa de Marcelo Gomes e Cao Guimarães, que fizeram de O Homem das Multidões o primeiro filme no formato Instagram da história. "É um filme incomum, que precisa de tempo e disposição para ser apreciado, mas que foi muito interessante de fazer", comentou Gomes na sessão do longa na Première Brasil. 

Generoso, ou polarizador, o júri do Rio, ainda reconheceu mais dois talentos na categoria Melhor Ator Coadjuvante. Além de García, por Tatuagem, Júlio Andrade foi premiado com uma Menção Honrosa por Entre Nós e Silvio Guindane, por Jogo das decapitações.

Entre os documentários, o contundente Histórias de Arcanjo - Um documentário sobre Tim Lopes, de Guilherme Azevedo, foi eleito o melhor pelo júri oficial. Mais que um filme, é um documento importante sobre a história do jornalismo brasileiro. E faz, por vezes, a plateia ter saudade de quando o jornalismo vivia tempos muito mais de 'ir a campo' e fazer com que o leitor ou o espectador de fato se sentisse na cena retratada. Tim é símbolo de um jornalismo que não se rende ao corporativo e à produção de conteúdo fria. Sempre se colocando na pele de seus personagens, ele encarnava a reportagem em sua essência.

Na competição oficial de curtas, Contratempo, de Bruno Jorge levou o Redentor.

Veja lista completa de premiados.

COMPETIÇÃO OFICIAL

Melhor Filme

De Menor, de Caru Alves de Souza

O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra

Prêmio Especial do Júri

Tatuagem, de Hilton Lacerda

Melhor Documentário

Histórias de Arcanjo – Um documentário sobre Tim Lopes, de Guilherme Azevedo

Prêmio Especial do Júri

A Farra do Circo, de Roberto Berliner e Pedro Bronz

Menção Honrosa do Júri

Cativas – Presas pelo coração, de Joana Nin

Damas do samba, de Susanna Lira

Melhor Curta-Metragem

Contratempo, de Bruno Jorge

Direção

Cao Guimarães e Marcelo Gomes por O homem das multidões

Ator

Jesuíta Barbosa por Tatuagem

Menção Honrosa do Júri - Ator

Francisco Gaspar por Estrada 47

Atriz

Leandra Leal por O lobo atrás da porta

Atriz Coadjuvante

Martha Nowill por Entre nós

Ator Coadjuvante

Rodrigo García por Tatuagem

Menção Honrosa do Júri - Ator Coadjuvante

Julio Andrade por Entre nós

Silvio Guindane por Jogo das decapitações

Roteiro

Paulo Morelli por Entre nós

Montagem

Mair Tavares por Estrada 47

Fotografia

Pedro Urano por Quase samba

PRÊMIO DO PÚBLICO

Filme

Tatuagem, de Hilton Lacerda

Documentário

Fla x Flu, de Renato Terra

Curta

Jessy, de Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge

NOVOS RUMOS

Filme

Tão longe é aqui, de Eliza Capai

Menção Honrosa do Júri

O menino e o mundo, de Alê Abreu

Curta

Todos esses dias em que sou estrangeiro, de Eduardo Morotó

Menção Honrosa do Júri - Curta

Lição de esqui, de Leonardo Mouramateus e Samuel Brasileiro

PRÊMIO FIPRESCI

Melhor Longa Latino-Americano

Tatuagem, de Hilton Lacerda

MOSTRA GERAÇÃO

Prêmio do Público

Tom, o Garoto Malandro, de Manuel Prada

Prêmio Forno de Minas para Curta-Metragem

A Galinha que Burlou o Sistema, de Quico Meirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.