Em Veneza, Guillermo Arriaga apresenta sua estréia na direção

'The Burning Plain', com Charlize Theron, apresenta a mesma fórmula usada por Arriga no roteiro de 'Babel'

Massimo Sebastiani, da Ansa,

08 de agosto de 2029 | 11h38

Um homicídio inconfessável, um amor trágico, uma mãe renegada, uma filha abandonada e um passado que retorna. Em The Burning Plain, em concurso na 65.ª edição do Festival de Cinema de Veneza, o roteirista mexicano Guillermo Arriaga, indicado ao Oscar de roteiro por Babel, faz sua estréia como diretor de uma grande produção.   Veja também:  Galeria com imagens do 65.º Festival de Veneza    Do lado de trás das câmeras, Arriaga repete novamente o esquema que o tornou célebre, cruzando histórias aparentemente distantes entre si para conduzir o espectador a um vertiginoso final.   Na cidade norte-americana de Portland, Sylvia (Charlize Theron) cuida de um restaurante com uma amiga e, com a mesma frieza do clima que a circunda, coleciona homens como figurinhas durante uma desesperada procura por um amor que não existe.   Na fronteira com o México, Gina (Kim Besinger) rompe a monotonia de sua vida familiar graças aos encontros clandestinos em um trailler no deserto com o mexicano Nick (Joaquim de Almeida). Já sua filha Marina (Jennifer Lawrence), acaba se apaixonando, com grande escândalo, pelo filho de Nick, Santiago. Enquanto isso, a pequena Maria (Tessa Ia), reencontra a mãe após doze anos.   Revelar mais seria injusto para o espectador, ao quem Arriaga joga uma série de desventuras, dores, fatalidades e revelações, fazendo um passeio entre o espaço e o tempo, entre o Oregon e a Baixa Califórnia, entre o antes e o depois.   E, como foi possível comprovar em Amores Brutos, 21 Gramas e Babel, Arriaga é insuperável na manipulação dos segredos e sentimentos de seus personagens . No entanto, dessa vez ele não conta com a ajuda da mão firme do amigo Alejandro González Iñarritu na direção.   Personagens complexas   Durante a coletiva de imprensa de The Burning Plan, a atriz sul-africana Charlize Theron afirmou que gosta de interpretar personagens complexas.   "Interpreto sempre personagens com defeitos porque é assim que somos. Em todos os filmes há algo de real que comove e dá arrepios. Há quem experimente esses arrepios uma ou duas vezes na vida. Outros, muitas vezes", disse a atriz, que ganhou o Oscar por Monster - Desejo Assassino, em que faz uma serial killer que é condenada à morte.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.