Em 'Oldboy', agora por Spike Lee, a recriação de um cult

Ator Josh Brolin conta como foi trabalhar com o diretor na nova versão do filme do coreano Chan-wook Park

Pedro Caiado, Londres - Especial para O Estado de S.Paulo

05 Junho 2014 | 02h07

Oldboy é um filme que virou clássico instantâneo, venerado por muitos. É parte de uma trilogia sobre vingança dirigida pelo sul coreano Chan-wook Park (mesmo diretor do recente Segredos de Sangue). Na história do original, de 2003, um executivo é capturado e confinado em um quarto de hotel por 15 anos. Nesta versão hollywoodiana, o personagem é aprisionado por 20 anos, sem ter noção de quem o confinou. Quando é finalmente libertado, luta para compreender os motivos do que se passou. Oldboy original é extremamente violento, por isso talvez, algumas das cenas mais difíceis não foram repetidas.

Josh Brolin aceitou o desafio. "Precisei pensar muito antes de aceitar este papel, por motivos diferentes de outros como George W. Bush. Eu me perguntei se queria realmente fazer isso. Queria ter certeza que não faria esse papel à toa. Eu sabia que seria difícil. Cheguei a ligar para o diretor do filme original e pedir sua aprovação. Ele achou legal", revela o ator americano de 46 anos. "Eu achei que seria legal ver a perspectiva de outra pessoa sobre essa história. O filme de 2003 é a visão de Chan Park para o mangá", defendeu ele, acrescentando que é fã do original. "Mesmo depois de fazer este eu o assisti e percebi como é incrivelmente bem dirigido. Tudo ali tem uma razão de ser", diz ele. O remake foi dirigido pelo diretor americano Spike Lee (de Malcom X).

"Neste filme eu fui muito mais ator que em qualquer outro filme que eu já fiz", explica Brolin, que costuma se envolver na produção de seus filmes. "Eu dei várias ideais para o Spike Lee, e algumas cenas foram improvisadas, como aquela em que estou preso no quarto do hotel. O Spike ligou uma música e me disse 'Vai'. Eu disse; 'Vou aonde?'. E nós filmamos por onze minutos sem cortar. Ele pediu que eu fizesse o que quisesse: me masturbar, chorar, tentar me matar, ficar pelado. Ganhei 12 quilos em dez dias e perdi 9 em dois. Mas foi tudo peso líquido. Não poderia ser gordura. Eu comi bastante sal, massas e então tomei um diurético para perder peso, mas, olhando para trás, me arrependo de ter tomado", diz o ator, que começou a carreira em outro clássico, Os Goonies.

Antes de se tornar ator, Brolin era corretor da bolsa de valores. "Eu não parei totalmente, só parei de fazer diariamente, pois não tenho mais tempo. Eu fazia isso todo dia", diz ele, acrescentando que há semelhanças do antigo ofício com o trabalho de ator. "Quando eu olho para gráficos, tudo que vejo é medo e ganância. Eu vejo um comportamento sociológico. E a atuação é feita de comportamento, de ação e reação. Se você quiser criar um drama, você tem que criar uma situação e na bolsa de valores isso acontece por meio do noticiário. As notícias podem até ser de mentira, mas você precisa observar as reações. A maioria das pessoas que pensam saber sobre a bolsa acabam perdendo dinheiro", explica ele.

Em um momento Lobo de Wall Street, ele confessa; "É muito ego. O homem que me ensinou como funciona a bolsa me explicou que o mais importante é a disciplina. No momento em que você conclui que está pronto, chegou a algum lugar, você está perdido. E, no cinema, é o mesmo principio. Quando você pensa que pode fazer muito dinheiro e se tornar uma estrela de cinema, está acabado", diz, defendendo a escolha de papéis como este.

Oldboy não termina da melhor maneira possível para o personagem principal e Brolin confessa que não foi este o motivo que o atraiu para o papel. "Se eu quisesse um filme para ficar bem visto eu não faria este com certeza. Eu soube de gente que tomou doses de vodca antes de assisti-lo", afirma. "Mas eu gostei desse personagem por causa do confrontamento que ele vive a cada momento. Como ator você se identifica com essa ideia, de confrontar suas emoções e seus diferentes aspectos, sua insegurança provocada pelas pessoas que o criticam. Devo eu acreditar quando alguém me diz 'O que aconteceu com o Josh? Ele era tão bom'", admite. "Em um filme que fiz em 2010, Jonah Hex, minhas intenções eram tão boas, mas quando eu fui assisti-lo eu quase não acreditei. Você nunca sabe como o filme sairá."

Oldboy originalmente é um longa ultra violento, difícil de assistir por suas cenas de violência explícita, mas não espere ver as cenas mais marcantes do original nesta adaptação. "Nós deixamos para o original as cenas mais icônicas, como aquela em que ele corta a língua ou come o polvo. Queríamos criar os nossas próprios momentos. Mas a famosa luta principal nós repetimos", explica o ator.

OLDBOY - DIAS DE VINGANÇA

Direção: Spike Lee

Gênero: Drama (EUA/2013, 104 minutos)

Classificação: 18 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.