DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Em 'Invencível', Angelina Jolie se aventura pela 2ª vez como diretora

Em 2011, atriz dirigiu 'Na Terra de Amor e Ódio'

Entrevista com

Angelina Jolie

Mariane Morisawa / LOS ANGELES, Especial para o Estado

21 Dezembro 2014 | 03h00

É inegável que Angelina Jolie é uma mulher corajosa. Uma das atrizes mais bem pagas de Hollywood, perseguida por paparazzi por causa de seu casamento com Brad Pitt e os seis filhos, Jolie aventurou-se na direção pela primeira vez com Na Terra de Amor e Ódio (2011), um romance na época da sangrenta guerra na ex-Iugoslávia. Não faltavam cenas fortes de batalhas e estupros. 

Para seu segundo filme atrás das câmeras, Invencível, com estreia prevista para 15/1 no Brasil, resolveu ser ainda mais ousada e contar a história do americano Louis Zamperini (interpretado por Jack O’Connell), que de menino levado virou atleta olímpico, correndo em 1936, em Berlim, perante Adolf Hitler, combateu na 2.ª Guerra, passou 47 dias à deriva no mar após seu avião ser derrubado e foi capturado pelos japoneses. 

Os direitos do filme tinham sido comprados em 1957, mas o projeto só voltou a ganhar força depois da publicação de Invencível – Uma História de Sobrevivência, Resistência e Redenção (Objetiva), de Laura Hillenbrand, em 2010. 

A logística da filmagem não assustou Jolie, que lutou para ser a diretora. A reportagem do Estado encontrou-se com a atriz quando ela estava editando o material, duas semanas após a morte de Louis Zamperini (1917-2014), em 2 de julho. “Espero não desapontar quando tudo estiver pronto”, disse ela.

Imbróglio. O nome da atriz, que no dia 12 cancelou compromissos como o da première de Invencível por estar com catapora, também está incluído no caso do vazamento de emails entre executivos da Sony Pictures. Em uma das mensagens, o produtor Scott Rudin insiste que a vice-presidente da empresa, Amy Pascal, tem de cancelar o projeto de Angelina para um filme sobre Cleópatra. “Não há planos de filme sobre Cleópatra e isso não é ruim, quando se leva em conta a insanidade e o ego mimado dessa mulher minimamente talentosa. Tenho zero tolerância com crianças mimadas”, diz Rudin. 

A seguir, leia os principais trechos da entrevista com a atriz Angelina Jolie sobre seu novo filme, Invencível, que conta a história de força e superação do atleta olímpiconorte-americano Louis Zamperini (1917-2014) e deve estrear no Brasil em 15/1.

Seus dois filmes como diretora têm essa coisa de perseverança, de continuar apesar dos obstáculos. Por que esse tema a atrai?

A guerra e as crises humanitárias trazem à tona o melhor e o pior nas pessoas. Queria fazer este filme porque, quando leio os jornais pela manhã, há pouca coisa que dê esperança. Estive em vários desses locais de conflito, mas, quando li a história de Louie, senti-me esperançosa na força do espírito individual e vi que a habilidade de seguir adiante, como povo, unido, é possível. O bonito de Louie é que ele é uma pessoa normal, com muitas imperfeições. Então ele nos permite ver que todos temos potencial para a grandeza, todos temos potencial para superarmos qualquer adversidade. Queria que meus meninos vissem o filme. O desejo é que os jovens possam ver, ter contato com um assunto sério num período histórico complicado e sejam alimentados por essa história. 

Não é exatamente um filme que se esperaria de uma mulher. O que acha que trouxe para Invencível, como uma diretora e como mulher?

Como diretora, eu amo filmes clássicos: Sidney Lumet, David Lean, não que eu esteja me comparando a eles! (risos) Queria que o filme fosse limpo, que se entenda tudo o que está acontecendo. Não era meu desejo aborrecer a plateia, nem confundi-la. Minha vontade era que o espectador se juntasse a nós no bote salva-vidas, no campo de prisioneiros. Foi algo que eu e o diretor de fotografia Roger Deakins sempre procuramos. Como mulher, são as emoções. A luta humana emocional era importante. Esses jovens atores deram tanto! E é um lado dos homens jovens que não vemos normalmente na tela. Pudemos confiar uns nos outros e conversar sobre família, a vida, a dor, a morte. Tem as partes de aventura, como o ataque de tubarões, mas também alma. Só que não acho que seja uma alma feminina. É mais sobre os homens.

Acredita em sensibilidade feminina e masculina?

Sim! Se você vê certos filmes, quando a batalha acontece, a adrenalina começa a subir, por causa da masculinidade. Acho importante ter isso, mas não ficar distraído só com isso – claro que o propósito de alguns filmes é só adrenalina mesmo. Invencível tem um centro espiritual. Então não dava para nos distrairmos demais com a batalha. De qualquer maneira, acredito que houve um equilíbrio, porque é uma mulher dirigindo, mas o elenco todo é masculino, é a emoção dos homens, suas lágrimas, suas memórias, sua dor. E porque escalamos homens másculos, não havia chance de se tornarem personagens com os quais apenas as mulheres se conectassem. Havia muita testosterona, com uma alma feminina.

Rodando um filme tão intenso, houve tempo para alguma história divertida?

Adoramos rodar na Austrália. Mas Jack (O’Connell, que vive Louis Zamperini) odeia aranhas. Ele fez uma aranhaterapia. Começou com as pequenas até chegar à maior e se acostumou com elas. Só que chegou a hora da cena, a aranha desapareceu dentro da cela (risos). Mas disse para ele: se aparecer uma aranha ou cobra, não fui eu que pus, não sou uma diretora louca! Saia correndo!

Conheceu Louis Zamperini?

Sim, claro! Passamos muito tempo juntos. Éramos vizinhos, sem que eu soubesse. Quando eu li o livro, decidi que tinha de conhecê-lo, que ia brigar para ser diretora do filme. E me disseram que ele sabia onde eu morava, porque conseguia ver a minha casa da dele (risos). Fazia 57 anos que ele estava esperando pelo filme sobre a sua vida. Depois de conseguir o trabalho, eu precisava ter a aprovação, o que não foi fácil, porque não tinha um astro no elenco nem nada, era uma diretora quase iniciante, havia essas cenas de ação gigantescas que precisavam ser feitas num orçamento médio. Falei para Louie que, quando conseguisse a aprovação, ia hastear a bandeira americana. Quando ela saiu, corri para o telhado, gritei para o Brad (Pitt) pegar a bandeira e a hasteamos! Eu e Louie ficamos muito amigos, ele foi como um pai e como um avô para mim. Eu o amava demais (começa a chorar).

Sinto muito...

Não, tudo bem. É duro. Pelo menos consegui mostrar uma versão inacabada do filme para ele no hospital. Eu segurei meu laptop sobre a sua cama, conversamos. Foi lindo. Eu fico feliz que ele tenha visto um pedaço. E ninguém teve uma vida mais completa. Então fico contente.

Então teve de lutar para conseguir dirigir o filme?

Sim! Tive de brigar por alguns meses. Donna Langley, da Universal, pode explicar como eu fiz meus ridículos painéis e tabelas. Precisei ir lá defender meu ponto de vista várias vezes. Porque não era apenas uma questão de vender que eu era uma boa diretora, mas também apontar problemas no roteiro. E aí apresentar soluções e defendê-las. Então, eu saía com esses sacos de lixo, porque meus quadros não cabiam em nada! Eram quadros de cores, quadros da linha do tempo, quadros em que alternava a parte da guerra, do atletismo, etc. Demorou uns dias para receber o telefonema de aprovação. Eu quase enlouqueci. Aí, demorei meses para ajustar o roteiro e ver o que dava para fazer e o que não dava – por exemplo, se era possível incluir a batalha em que o avião ficou com centenas de buracos de balas e também a queda no oceano? Foi uma luta! 

Chamou alguém em que confia para dar opinião?

Mostrei para amigos e família. Meu maior teste foi com meus filhos. Eles não foram ao banheiro, não ficaram dançando nas cadeiras. No fim, me perguntaram sobre fé, sobre a guerra, sobre o funcionamento do avião (risos). Foi ótimo, não sabia como os meninos iam reagir. E meus filhos já me disseram várias vezes que não gostaram de coisas que eu fiz, então foi bom! (risos

Algo dentro de você muda quando está dirigindo?

Com certeza, é muito diferente dirigir de atuar. Eu prefiro dirigir. Amo dirigir. Porque você consegue participar de cada passo. E dá para proteger tudo no final. É uma grande responsabilidade, mas também uma grande satisfação poder proteger algo que se ama.

Mais conteúdo sobre:
Angelina Jolie Cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.