Jonathan Olley/Lucasfilm Ltd.
Jonathan Olley/Lucasfilm Ltd.

Em 'Han Solo - Uma História Star Wars' herói continua arrogante e as mulheres ganham mais espaço

Longa que chega aos cinemas na madrugada desta quinta-feira revê o passado do personagem

Mariane Morisawa, ESPECIAL PARA O ESTADO

22 Maio 2018 | 06h00

LOS ANGELES - Como muitos fãs de Star Wars, Jonathan Kasdan ficou mesmerizado ao ver Han Solo pela primeira vez, naquela cena da cantina. “Ele era imprudente, cínico, não confiava em ninguém. E era meio burro, fazia coisas que não devia”, disse o roteirista de Han Solo - Uma História Star Wars, que escreveu em parceria com seu pai, Lawrence Kasdan, autor de O Império Contra-Ataca, O Retorno de Jedi e O Despertar da Força. Han Solo vai ao passado, quando o personagem era jovem. “Queríamos mostrar como as pessoas são moldadas pelo que acontece com elas”, disse Lawrence Kasdan em entrevista ao Estado. “Os filmes que fazemos são sobre os sentimentos e motivações ambíguas das pessoas”, completou. Em São Paulo, Han Solo - Uma História Star Wars vai estrear à 0h01 de quinta-feira, 24, em um grande circuito.

+++ Elenco de filme sobre Han Solo é aposta em diversidade e sucesso

O Han Solo interpretado por Alden Ehrenreich (Ave, César!) é tão arrogante quanto o clássico Han Solo de Harrison Ford, mas certamente menos cínico e mais ingênuo. “Assisti aos filmes originais bem no começo do processo. Mas depois tive de deixar isso de lado e me concentrar nesse cara nesse momento de sua vida”, disse Ehrenreich em entrevista à imprensa, em Los Angeles.

+++ Origem de Han Solo é destrinchada em novo derivado de 'Star Wars'

No começo do filme, ele é um rapaz lutando para sobreviver, tendo como companheira Qi’ra (Emilia Clarke). Os dois planejam fugir de seu planeta natal, Corellia, mas apenas Han consegue, prometendo voltar para resgatá-la. Uma guerra e alguns anos depois, ele trabalha com o criminoso Tobias Beckett (Woody Harrelson) e, claro, reencontra o seu amor do passado.

+++ Filme 'Han Solo - Uma História Star Wars' leva muita ação a Cannes

Outros momentos-chave na vida de Han Solo são parte do filme, como seu encontro com Chewbacca (agora interpretado inteiramente por Joonas Suotamo) e com Lando Calrissian (Donald Glover), além, claro, de seu primeiro voo na Millenium Falcon.

+++ Primeiro vídeo de 'Han Solo' é mostrado em comercial do Super Bowl

Como aconteceu com o Lando de Billy Dee Williams, o Lando de Donald Glover é um dos destaques da produção. “Disse para meu agente: ‘Eu preciso ser Lando’”, contou Glover. “Ele respondeu: ‘Entendi. Não acho que você tem muita chance’. Mas isso só me fez querer mais, fui para o teste como se fosse o único papel que eu queria no mundo.”

Para Ron Howard, que assumiu a direção depois da demissão de Phil Lord e Christopher Miller, no meio da filmagem, os relacionamentos eram fundamentais. “Essa é a jornada de Han Solo, mas esses relacionamentos são muito importantes para esse jovem.”

A entrada de Howard, veterano com dois Oscar na estante, provocou mudanças no roteiro dos Kasdans. “Refizemos certas coisas, mudamos outras”, informou Jonathan. “Ao final do processo, tínhamos feito uma revisão total do roteiro, que reflete a personalidade de Ron como cineasta. Espero - e acho que ele concorda com isso - que esse filme seja tanto seu quanto qualquer outro que ele tenha dirigido antes.” Mas o que isso quer dizer? “E ele quer ver os personagens irem de um ponto a outro. Que eles passem por algo que os transforme. É um cineasta da mudança. Ele focou nisso nesse roteiro e fez um filme sobre Han. Foi ótimo.”

Como Jonathan Kasdan cresceu nesse universo, também pôde trazer coisas de fora dos filmes, fazendo reaparecer certos personagens, por exemplo. E, sinal dos tempos, os roteiristas tiveram oportunidade de incrementar os papéis femininos. “Os filmes que escrevi e dirigi têm muitas mulheres”, disse Lawrence Kasdan. “E obviamente elas são metade do mundo! E não têm sido representadas como metade da galáxia necessariamente.” Além da misteriosa Qi’ra, que é uma femme fatale do filme de crime misturado com ação, há Val (Thandie Newton), braço direito de Beckett, e a androide L3 (Phoebe Waller-Bridge), que se construiu sozinha e ajuda e atormenta Lando. “Ela é uma revolucionária e tem uma agenda, ou seja, é uma androide com uma mensagem”, disse Waller-Bridge. E isso tudo sem deixar de ser engraçada.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.