Em foco, o cinema independente americano

MPA você já conhece. É a sigla de Motion Pictures Association, a agência de cinema dos EUA, cujo homem-forte no Brasil era Jack Valenti e hoje é Steve Solot. Se você procurar os dois maiores itens da pauta de exportações verá que em primeiro lugar está a indústria bélica: armamentos. Em segundo, o cinema. Ou seja: armamentos e armamentos, porque os americanos entendem o cinema como uma arma de dominação cultural. Pois agora prepare-se para conhecer outra sigla. É a IFP, Independent Feature Project, organização americana sem fins lucrativos que possibilitou, e continua possibilitando, o surgimento de novos talentos no cinema independente dos EUA.No Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio, começa hoje uma importante programação com curadoria de Juan Carlos Zaldívar, Rossine Araújo e Ailton Franco. O foco de Novos Rumos - Novos Cineastas está no trabalho desenvolvido pelo IFP como alternativa, no próprio mercado americano, à hegemonia de Hollywood (e da MPA). Até o dia 4, serão exibidos filmes inéditos e outros já conhecidos do público brasileiro, mas que não teriam sido realizados sem o apoio financeiro e institucional do IFP.Diálogos - Filmes como Gosto de Sangue, Cães de Aluguel, Estranhos no Paraíso e Os Irmãos McMullen, de diretores como os irmãos Coen, Quentin Tarantino, Jim Jarmusch e Edward Burns, integram a retrospectiva que o evento do Rio dedica ao IFP. Serão exibidos também ficções e documentários inéditos. E Novos Rumos - Novos Cineastas não se propõe apenas a promover essas sessões certamente interessantes. A verdadeira proposta, por meio de um ciclo de debates, é a troca de experiências entre os realizadores e produtores convidados, que estão sendo trazidos dos EUA para discutir com seus colegas brasileiros sobre métodos alternativos de produção.Quem promove tudo isso é a AR Produções, uma empresa idealizadora de eventos e projetos audiovisuais, cuja cartão de visitas é o Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro. Eles contam um pouco a história do IFP. Embora o Festival Sundance seja a grande vitrine da produção independente americana, o IFP é a principal do movimento cinematográfico independente dos EUA.Com seis unidades (em Chicago, Miami, Los Angeles, Minneapolis, Seattle e Nova York) e mais de dez mil profissionais cadastrados, entre diretores e técnicos, a organização defende a idéia de que a produção independente não possui limites geográficos e se comunica com pessoas em qualquer parte do mundo. Daí a idéia de engajar-se em eventos como esse da AR Produções, cujo objetivo é estabelecer conexões entre os produtores independentes dos EUA e produtores e diretores brasileiros. Vão discutir quem compra, quem manda e quem financia, em todo o mundo, a realização de curtas e longas documentários e de ficção.Novos Rumos - Novos Cineastas. Centro Cultural Banco do Brasil, Rua Primeiro de Março, 66, Centro, tel.: 3808-2020. Até 4 de maio.Leia mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.