Em cartaz, filmes de garotas malcomportadas

Perigosa, pérfida, a malvada. Nãosão apenas adjetivos com freqüência aplicados às personagens deBette Davis. São também os títulos de alguns dos principaisfilmes que ela interpretou. Pelo primeiro, Bette ganhou seuprimeiro Oscar e, quando o último estreou no Brasil, difícil foiconvencer o público de que ela não era a malvada do título.Havia, em cena, uma figura ainda mais pérfida do que ela - aaspirante a atriz Eva, uma criação também memorável de AnneBaxter. Bette Davis morreu de velha, em 1989. O público guarda aimagem dessa Bette decrépita e ainda malvada, em filmes como OQue Terá Acontecido a Baby Jane?, de Robert Aldrich. Por isso,talvez seja um pouco surpreendente defini-la como uma garotamalcomportada, o que ela foi, evidentemente. Bette integra oelenco da mostra Meninas Malcomportadas, que começa nesta terça-feira,no Centro Cultural Banco do Brasil, e vai até dia 8, exibindo 12filmes cujas protagonistas são mulheres que romperam com ospadrões estabelecidos pela sociedade, em busca da realização deseus desejos de realização pessoal e liberdade. Alguns desses filmes são clássicos indiscutíveis: AMalvada, de Joseph L. Mankiewicz, Marnie, as Confissões deUma Ladra, de Alfred Hitchcock, Império dos Sentidos, deNagisa Oshima. Outros, mesmo não sendo tão bons, marcaram épocapelo grau de provocação de suas cenas ou heroínas: O Porteiroda Noite, de Liliana Cavani, Crônica do Amor Louco, deMarco Ferreri, Betty Blue, de Jean-Jacques Beineix,Possessão, de Andrzej Zulawski, o próprio A Mulher e a Bête,de Walerian Borowczyk, ou a Lolita de Stanley Kubrick. Completama programação: Uma Mulher em Fogo, de Robert Von Ackeren,Oleanna, de David Mamet, e A Pequena Vera, de VasiliPichul. É o tipo da mostra à qual cada um gostaria deacrescentar suas escolhas - Mortalmente Perigosa, de JosephH. Lewis, Corpos Ardentes, de Lawrence Kasdan, E DeusCriou a Mulher, de Roger Vadim, Jezebel, de William Wyler -que a Globo exibe hoje de madrugada - e também, por que não? ...E o Vento Levou, de Victor Fleming. Nunca houve meninamais malcomportada do que uma certa Scarlet O´Hara, que VivienLeigh interpretou com talento e beleza. Peggy Cummings, Kathleen Turner, Brigitte Bardot e BetteDavis, pelos filmes citados, estão ausentes do ciclo, mas Bette,sempre ela, está em A Malvada, inesquecível como MargoChanning, com sua fala famosa, Apertem os cintos que a noiteserá turbulenta (que não é exatamente essa, você poderácomparar mais uma vez). As meninas malcomportadas, de qualquermaneira, são todas ótimas - Tippi Hedren, Eiko Matsuda,Charlotte Rampling, Ornella Muti, Béatrice Dalle, IsabelleAdjani, Lisbeth Hummel, Sue Lyon, Gudrun Lendgrebe, DebraEisenstadt e Natalya Negoda. Por mais que Bette Davis ou Vivien Leigh tenhamencarnado o modelito das mulheres voluntariosas, daquelas quebatem pé e dobram os homens (e o mundo) a seus caprichos,nenhuma foi mais malcomportada do que a japonesa Eiko Matsuda,que aceitou protagonizar as cenas de sexo explícito de OImpério dos Sentidos. Eiko fez isso em nome da arte e o maiscurioso é que, por meio desse filme único, pode-se discutir aprópria censura, não só em relação às meninas malcomportadas,mas ao sexo, de uma maneira mais geral. Há quase 30 anos, acensura do regime militar proibiu o clássico de Nagisa Oshimasob a alegação de que se constituía em ameaça à família. Hoje em dia, o filme não choca mais (e até pode sercomprado em bancas, em DVD). Muitas dessas bad girls poderiamestar hoje na sessão da tarde. Nada muda mais do que oscostumes. Não foi a Globo que transmitiu ao vivo, para todoo Brasil, as cenas de sexo do Big Brother Brasil? Não foi aXuxa quem erotizou a infância brasileira? Garotas malcomportadastalvez seja um conceito bíblico e machista. Tem origem em Eva, aprimeira mulher, em sua ligação com a serpente. O que existemsão mulheres.Serviço - Meninas Malcomportadas. Terça, às 12h30, quarta, às 16h,´Crônica do Amor Louco´/81, de Márcio Ferrei; terça, às 16h, quinta, às 12h30, domingo, às 18h30, ´UmaMulher em Fogo´/83, de Robert van Ackeren; terça, às 18h30, ´AMalvada´/50, de Joseph L. Mankiewicz. Quarta, às 12h30, sexta,às 16h, sábado, às 18h30, ´Possessão´/81, de Andrzej Zulawski;quarta, às 18h30, sábado, às 16h, domingo, às 12h30, ´Lolita´/62 de Stanley Kibrick. Quinta, às 16h, sábado, às 12h30,´Oleanna´/94, de David Mamet; quinta, às 18h30, sexta, às 12h30,domingo, às 16h, ´A Mulher e la Bête´/75, de Walerian Borowczyk;sexta, às 18h30, ´Betty Blue´/86, de Jean-Jacques Beineix. Deterça a domingo. R$ 4,00 (meia entrada) e R$ 8,00 (válido p/30dias). Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado,112, tel. (11) 3113-3651. Até 8/12.

Agencia Estado,

25 de novembro de 2002 | 15h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.