Angela Weiss/ AFP
Angela Weiss/ AFP

Em busca do tempo perdido, Academia do Oscar muda sua festa

Com a reputação abalada, a audiência cada vez mais baixa e a rejeição do público jovem, cerimônia passa por mudanças para resgatar os anos de ouro da premiação

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

28 de março de 2022 | 02h05

A sensação era de que tudo voltava ao que era dois anos atrás, antes da pandemia – o Dolby Theatre estendendo o tapete vermelho para a recepção das estrelas da noite do Oscar, algumas chegando em limusines. A disputa para identificar os vestidos mais elegantes foi retomada entre assessores e a imprensa especializada em moda. 

Houve, como sempre, momentos encantadores, como o pequeno Jude Hill, de 11 anos, elogiando sua colega de elenco Judi Dench, que disputava a estatueta de coadjuvante por Belfast. “Ela foi maravilhosa comigo, pois me ajudava a decorar os diálogos”, contou ele, 76 anos mais novo que a veterana atriz.

E, enquanto se disputava a posição de melhor vestimenta, o ator Timothée Chalamet apostou na sedução ao não usar nada por baixo do paletó de seu terno Louis Vuitton – bastaram algumas joias e um sorriso sutil para se destacar no tapete vermelho.

Mas, lá dentro, havia um clima que ainda lembrava a cerimônia do ano passado, quando poucos convidados se espalhavam em mesas na estação central de trem de Los Angeles: desta vez, próximas ao palco, foram instaladas mesas para os principais indicados, evitando assim que houvesse proximidade entre todos.

Na verdade, o fantasma da covid ainda assombrou os organizadores, que decidiram manter os principais convidados sem máscara, mas distantes uns dos outros em mesas que se espalharam em círculos. A segurança em relação à pandemia ficou sob a responsabilidade de uma equipe de 70 pessoas, que aplicou mais de 14 mil testes de PCR para artistas e equipe de produção, um total de 5 mil pessoas. 

Mas era uma falsa sensação de retomar uma rotina interrompida pela pandemia. Na verdade, mais do que recuperar o tempo perdido, a Academia de Hollywood buscava reafirmar a importância de sua festa, cuja fama anda cada vez mais arranhada com o desinteresse crescente do público, representado por uma audiência cada vez mais decrescente.

Assim, embora a transmissão da festa tivesse começado às 21h (Brasília), uma hora antes o palco do Dolby já era ocupado para anúncio de alguns vencedores – foi decisão dos organizadores de antecipar a entrega da estatueta dourada para oito categorias (curta-metragem, edição, maquiagem e cabelo, trilha sonora, design de produção, curta de animação, curta em live action e som) para dar mais agilidade à cerimônia que, mesmo assim, não foi inferior a três horas de duração.

Um dos principais críticos contra essa decisão, o cineasta mexicano Guillermo Del Toro decidiu chegar mais cedo ao Dolby para acompanhar a premiação que não foi transmitida ao vivo. Duna ganhou quatro Oscars – o épico de ficção científica dirigido por Denis Villeneuve foi reconhecido pela música original de Hans Zimmer, além de edição, design de produção e som.

E o Brasil continuou sem ganhar a estatueta: Onde Eu Moro, do brasileiro Pedro Kos em parceria com Jon Shenk, perdeu para The Queen of Basketball, de Ben Proudfoot, o Oscar de curta documentário. 

A intenção da Academia com essa antecipação foi a de abrir espaço para figuras conhecidas dos mais jovens, como a cantora Billie Eilish, numa tentativa de retomar o interesse de faixas etárias mais baixas. O show, aliás, começou com o clipe de uma megaestrela da música, Beyoncé, que foi apresentada pelas irmãs Serena e Venus Williams

Aliás, nessa tentativa, a Academia até recuou em sua implicância com serviços de streaming (fartamente consumidos pelos jovens), admitindo que 7 dos 10 finalistas na categoria de melhor filme trouxessem a logomarca de alguma dessas ferramentas. Mais: até o uso do DVD como meio de fazer com que os votantes apreciassem os concorrentes foi trocado por uma plataforma exclusiva de streaming, criada pela Academia.

A abertura continuou com a premiação para Ariana DeBose como melhor atriz coadjuvante por seu trabalho em Amor, Sublime Amor. Ela se torna a primeira atriz afro-latina e abertamente LGBT a vencer na categoria. “Para qualquer um que já tenha questionado sua identidade”, ela disse, “eu prometo que há um lugar para nós”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.