Ellen DeGeneres dará tom gentil à cerimônia do Oscar

Depois de dois anos em que os mestres de cerimônia do Oscar foram provocadores anti-establishment, a entrega das estatuetas neste domingo terá um toque mais simpático com a presença de uma comediante que costuma deixar à vontade a platéia.Ellen DeGeneres, que entrou para a história do show-business há 10 anos com o primeiro personagem abertamente gay no horário nobre da TV americana, assumirá um dos cargos mais prestigiosos de Hollywood como a segunda mulher a apresentar a cerimônia de premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Ela é a sucessora de Whoopi Goldberg, que rompeu a barreira dos sexos na cerimônia do Oscar de 1994, voltando a apresentar a entrega das estatuetas em 1996, 1999 e 2002. Mas em termos de estilo a bonachona Ellen, apresentadora do talk-show semanal Ellen, não poderia ser mais diferente de Whoopi ou de dois de seus antecessores imediatos, Jon Stewart e Chris Rock, conhecidos por um humor mais cáustico e irreverente.Mantendo sua preferência por ternos, DeGeneres pretende aparecer usando vários smokings desenhados pelos principais nomes na indústria da moda.Ellen já demonstrou que sabe manejar o difícil equilíbrio entre a sátira e a hipocrisia ao apresentar a cerimônia do Emmy em novembro de 2001. Tom certoEla abriu aquela cerimônia dizendo que era a apresentadora ideal para o momento porque "o que iria incomodar mais o Taliban do que ver uma lésbica de terno cercada de judeus?".A produtora da transmissão televisiva do Oscar neste ano, Laura Ziskin, descreveu DeGeneres como uma "apresentadora brilhante."Sua escolha parece pôr um ponto final à preocupação dos produtores do Oscar em escolher MCs - como Rock e Stewart - que agradassem a espectadores mais jovens.Neste ano, Ziskin pretende atrair a platéia com menos de 50 anos levando ao palco um grande número de jovens talentos, como Jessica Biel, Jack Black, Kirsten Dunst, Anne Hathaway, Tobey Maguire e o novo James Bond, Daniel Craig.Ela também espera tornar o Oscar mais atraente pedindo aos premiados que evitem aqueles discursos que são longas listas de agradecimentos. Ziskin pediu aos possíveis ganhadores que usem seus 45 segundos no palco para "entreter ou esclarecer ou emocionar" a platéia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.