Efeito especial tira alma do cinema, diz 'robô' de 'Star Wars'

A avalanche de efeitos especiais quedominam as grandes produções de Hollywood está tirando a almados filmes, acredita o ator que fez por 30 anos o famoso robôC-3PO da série "Star Wars", Anthony Daniels. O ator britânico está em São Paulo para o lançamento daprimeira exposição "Star Wars" na América Latina, com 200objetos dos seis filmes da série. A mostra abre na quarta-feirano Porão das Artes, no parque Ibirapuera. Daniels fez o robô dourado durante as duas trilogias deGeorge Lucas, que começou em 1977. Segundo o próprio ator, édele a primeira fala do primeiro filme, e a última fala doúltimo filme, "Star Wars Episódio III: A Vingança dos Sith",lançado em 2005. Bem-humorado e fazendo graça com os jornalistas nestaterça-feira, Daniels contou que a nave de Anakin Skywalker, queaparecia flutuando no primeiro filme, era na verdade umcarrinho com rodas que era empurrado. O robô R2D2 era puxadopor uma cordinha, lembrou Daniels. "E agora, no último filme, tudo estava no computador. Muitochato. Para mim, na verdade, falta alma aos filmes novos comtoda essa tecnologia", disse o ator, todo vestido de preto esegurando uma miniatura de C-3PO. Ele contou que a última cena na qual participou no últimofilme foi toda feita com computação gráfica. Só ele era real,encenando sozinho, com apenas uma tela azul por trás. O R2D2 etodo o cenário foram feitos no computador. "Quando os objetos são reais, mesmo sendo simples objetos,eles têm muito mais alma, porque você consegue interagir comeles. Por trás de cada objeto, sempre existe alguém responsávelpela operação, que dá vida aos objetos", disse Daniels. O mesmo sentimento tem Nelson Hall, o técnico de efeitosespeciais da Lucasfilm, que veio ao país para ajudar namontagem da exposição."Gosto das coisas mais artesanais, mais reais", disse Hall aosjornalistas, antes de voltar ao grupo de 10 pessoas quemontavam o caça Jedi Starfighter, uma das peças maisimpactantes, bem na entrada da exposição. A mostra, que fica em cartaz até 29 de junho, tem orçamentode 4 milhões de reais, sendo 2,5 milhões arrecadados via LeiRouanet. Há outras duas mostras da franquia "Star Wars" acontecendono momento, em Bruxelas e Estados Unidos. As três juntas,segundo Nelson, correspondem apenas a 10 ou 15 por cento dototal do acervo do estúdio, distribuído em galpões naCalifórnia. Um dos seis robôs originais usados por Daniels está naexposição em São Paulo, brilhante como em sua última apariçãono cinema e ao lado de figurinos elaborados da rainha Amidala. Segundo Daniels, que teve que manter a forma durante todosesses anos para caber no figurino, o robô estava tão lustrosona "Vingança dos Sith" que refletia tudo à sua frente, comoatores, câmeras e maquinário do set. Além do caça Jedi, há outros três veículos em tamanho real-- o Prodacer e o Airspeeder, de Anakin, e a moto-voadoraImperial Speeder. Há também maquetes de cenários, como oPlaneta Utapu, palco do duelo entre o mestre Jedi Obi-Wan eGeneral Grievous, em "Vingança dos Sith". Na manhã de terça-feira, quando parte da exposição foiexibida à imprensa, 14 membros de um fã clube de "Star Wars"estavam vestidos de Stormtroopers, soldados de Darth Vader, comarmaduras brancas. Durante a exposição, "soldados" contratadospelos organizadores farão a recepção dos visitantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.