Divulgação
Divulgação

'Educação Sentimental' é uma fábula sobre a impossibilidade do ato amoroso

Diretor usa filosofia, arte, mitologia e psicanálise para fazer um filme de ideias

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2013 | 22h42

No plano inicial do filme, um rapaz banha-se numa piscina. Em seguida, estamos numa estradinha deserta, diante de um panorama magnífico – o Mirante Sétimo Céu, no Morro Dois Irmãos, no Rio de Janeiro. Estão lá o rapaz e uma mulher mais velha. Eles se apresentam: Áureo e Áurea. Ela recita (o termo é esse) uma passagem da mitologia. Endimião, jovem pastor, um dia foi admirado pela Lua. Ora, a Lua é um deus, ou deusa. Andrógino(a). Não pode se relacionar com um mortal. Como castigo, Zeus impõe a Endimião o sono eterno. Mas toda noite a Lua aparece para contemplá-lo.

Estamos portanto na atmosfera dos mitos, neste que é mais um filme de Júlio Bressane cheio de poesia, alusões, citações. A começar pelo título, Educação Sentimental, que um incauto pode referir à obra de Gustave Flaubert. É verdade que existe um ensaio desse processo entre o rapaz (Bernardo Marinho) e a mulher (Josie Antello). Na casa onde os dois passam a se encontrar dá-se um processo que se poderia chamar pedagógico não fosse o abuso do termo. Ela é uma mulher culta, que discorre sobre seus gostos literários, a família, a música, os romances que deixou inacabados. Estamos no reino da cultura, um epicurismo não estranho à própria persona estética de Bressane.

Mas daí a afirmar que se trata de uma pedagogia amorosa, seria dar um passo a mais. E talvez um mau passo, pois a proposta transcende a simples troca de ensinamentos eróticos entre um corpo e outro.

Mesmo porque a “relação” entre os dois será marcada pela impossibilidade. Será, portanto, uma não relação. E, nesse ponto, Bressane dialoga tanto com a mitologia quanto com a psicanálise lacaniana. “Não existe relação sexual”, dizia o psicanalista francês, simplesmente porque não se pode estabelecer um termo médio, de contato total entre um homem e uma mulher. Na tentativa de fusão imaginária, os amantes estão sempre condenados ao não encontro. Daí a fantasia recorrente de que a fusão perfeita só se dará com a morte. Isto é, com a aniquilação dos corpos físicos.

É nesse grau de profundidade que se arrisca o cinema de Júlio Bressane, sempre dançando na borda, equilibrando-se no vazio. Não é um cinema que imponha sentido, mas é um cinema que pede sentido. Enigmático, pois não se entrega de maneira imediata, funciona como verdadeira máquina de gerar interpretações. É preciso decodificar as notações eruditas espalhadas pela superfície da obra. Notar a maneira como são rearranjadas pelo artista, ganhando assim sentidos novos. E prestar atenção na maneira como são trabalhadas visualmente, porque um filme, por erudito que seja, não é um tratado de filosofia, filologia ou mitologia. É um complexo abraço entre palavras, sons e imagens que produz certa sensação em quem assiste.

Com esse estilo, Bressane vem, já há muito, ocupando posição excêntrica no contexto do cinema brasileiro. Seu diálogo com o saber universal e com a tradição brasileira é notável. Tudo conversa com tudo. Do mito helênico relido pela psicanálise ao samba refinado de Vassourinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.