"É Tudo Verdade" trará documentários de 14 países

A organização do Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade (www.etudoverdade.com.br) anunciou hoje as 18 produções que integram a competição internacional de sua 7.ª edição, que vai de 11 a 21 de abril no Rio e de 15 a 21 do mesmo mês em São Paulo. Chegam de 14 países. Na disputa, três filmes brasileiros: Viva São João!, de Andrucha Waddington; Oscar Niemeyer - O Filho das Estrelas, de Henri Raillard; e Ota Benga - Um Pigmeu na América, de Alfeu Franca.Entre os estrangeiros, serão reunidos alguns dos principais nomes do gênero. A organização do festival, dirigido por Amir Labaki, salienta que nunca tantos mestres foram reunidos numa mesma edição.O americano Frederick Wiseman, homenageado no 6.º É Tudo Verdade, traz Violência Doméstica, sobre abusos cometidos mulheres. Os argentinos Carmen Guarini e Marcelo Céspedes farão a pré-estréia mundial de H. I. J. O. S. Alma Dividida, sobre filhos de desaparecidos políticos e sua busca por justiça. Avi Mograbi, de Israel, chega com Agosto - Um Momento Antes da Explosão, que toma o mês como metáfora do que há de mais criticável no país.Da Alemanha, chega o premiado Caixa Preta Alemanha, de Andrés Veiel, que investiga duas mortes polêmicas no país, a de um banqueiro e a de um terrorista, e levanta suas relações com o nazismo. Os australianos Bob Conolly e Robin Anderson mostram De Olho na Música, sobre a luta de uma professora universitária para manter seu departamento de música em funcionamento. Da Finlândia, Susanna Helke e Virpi Suutari trazem o poético Os Desocupados, sobre três jovens que vivem numa região desabitada do país.Curtas - Além das três produções brasileiras selecionadas para a competição internacional, o festival vai exibir outros 29 filmes nacionais em mostras paralelas, conforme anunciado no início do mês. A novidade é a criação de uma categoria toda dedicada a curtas-metragens, com 14 indicados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.