"É Tudo Verdade" ocupa a Galeria Ouro Fino

Quem acompanha a programação do É Tudo Verdade - 9.º Festival de Documentários não pode deixar de conhecer o novo Espaço É Tudo Verdade na Galeria Ouro Fino (Rua Augusta, 2.690), que tem entrada franca. O terraço da galeria, além de oferecer uma bela vista da cidade, abriga um ambiente descolado, onde o público poderá conferir debates, lançamentos de livros, e sobretudo, claro, aproveitar a noite com a apresentação de DJs, telão e bar. A programação de hoje é bem agitada: a partir das 19 horas, a programadora do novo Festival Paris Cinema, Anna Glogowski, e o presidente da Association Française de Recherche sur L´Histoire du Cinéma, Michel Marie, debatem com produtores brasileiros a realidade e produção dos dois países. Em seguida, entra em cena FLN/Vídeo-Guerrilha, um projeto do VJ Alexis e de Marco Silva que leva ao lounge música eletrônica e vídeos, tudo regado com bom humor e muita ironia. O DJ Billasbits é convidado a fechar a noite, que ainda terá participação especial do rapper francês Pyroman. Clima de descoberta - Amanhã haverá lançamento dos livros O Documentário de Eduardo Coutinho: Televisão, Cinema e Vídeo, de Consuelo Lins, e Eduardo Coutinho: o Homem Que Caiu na Real, de Carlos Alberto de Mattos, com a presença dos autores. Em seguida, Mugomango e imagens do coletivo Bijari. Na noite de terça, o clima era de descoberta. Muitos ainda não conheciam o local nem o festival. "Cheguei aqui por acaso. Estava andando pela galeria e resolvi subir para ver o que estava acontecendo no terraço. Parei e fiquei. Achei ótima a idéia de unir cinema, música e agito", diz a estudante goiana Karina Pontes. O Espaço abriu para a apresentação do DJ Yah! e percussão de Maurício Alves, músico do Mestre Ambrósio, e para o DJ Ramiro. As imagens do telão foram feitas pelo pessoal da Bijari. O DJ Yah! já participou de trilhas de filmes como Cidade de Deus, ao lado Antonio Pinto. "Este é um ponto de encontro para as pessoas do cinema, da área. Um lugar com alto-astral, reservado para o debate e para a descontração." Yah! em sua apresentação percorreu diferentes estilos, do jazz e samba jazz à música brasileira, com destaque para Naná Vasconcelos, João Donato e Tom Jobim. A percussão de Maurício Alves foi um show a parte.

Agencia Estado,

02 de abril de 2004 | 13h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.