Ander Gillenea / AFP
Ander Gillenea / AFP

Duas atrizes acusam James Franco de exploração sexual em ação na Justiça

Ator e diretor acusado de administrar uma escola de cinema na qual jovens aspirantes a atrizes eram enganadas para fazer falsos testes nuas ou filmar cenas de sexo explícito

Alex Dobuzinskis, Reuters

04 de outubro de 2019 | 12h16

Duas mulheres entraram com uma ação civil contra o ator James Franco na quinta-feira, 3, acusando-o de administrar uma escola de cinema na qual jovens aspirantes a atrizes eram enganadas para fazer falsos testes nuas ou filmar cenas de sexo explícito.

O advogado de Franco, Michael Plonsker, disse que o cliente não foi ouvido no processo.

“James não apenas se defenderá totalmente, mas também buscará indenização das autoras e dos seus advogados por entrarem com esse processo difamatório por publicidade”, disse Plonsker.

De acordo com o processo, as duas atrizes, Sarah Tither-Kaplan e Toni Gaal, afirmaram frequentar a escola de cinema de Franco em 2014. Elas acusaram o ator e outros dois homens associados à produtora e à escola de Franco de discriminação sexual, assédio e fraude, entre outros crimes.

De acordo com o processo, “os alvos de Franco eram levados a pagar por sua exploração por meio de uma ‘escola de atuação’ fraudulenta (Studio 4), criada para beneficiar Franco e suas produtoras, nas quais oportunidades para jovens mulheres supostamente aumentavam quando concordavam em performar atos sexuais e de nudez e participar de cenas de sexo — geralmente em um ambiente com orgia”.

Estudantes foram encorajadas a pagar 750 dólares para participar de aulas especializadas em cenas de sexo na escola e tinham de fazer testes nuas ou parcialmente nuas, acrescentou o texto do processo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.