Drama chileno abre o 24º Cine Ceará

Drama chileno abre o 24º Cine Ceará

Deborah Secco, estrela do longa 'Boa Sorte', fora da competição, recebe homenagem no festival

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2014 | 17h23

 FORTALEZA - Um curta (Fluxos, de Diego Akel) e um longa (Não Sou Lorena, de Isidora Marras) deram início à mostra competitiva do 24 Cine Ceará, sábado à noite, no magnífico Theatro José de Alencar, transformado em cinema ao longo do festival. 


Foi uma cerimônia de abertura simples e simpática, com apresentação da Orquestra de Câmera da cidade e também homenagem à atriz Deborah Secco, protagonista de Boa Sorte, de Carolina Jabor, que passa fora de concurso. Deborah ganhou seu troféu e disse, mais uma vez (como havia garantido em Paulínia, onde o filme foi apresentado pela primeira vez), que pretende se dedicar cada vez mais ao cinema. E foi isso. 


Quanto aos filmes concorrentes, não decepcionaram. Fluxos é uma criativa animação feita com massinha, que se aproveita da música de Bach para dar curso à inventividade visual do diretor. Um trabalho, parece, bastante influenciado pelo canadense Norman McLaren. Bonito de ver. 


Já o chileno Não Sou Lorena aposta na vertente do thriller psicológico e no tema do duplo. A protagonista, Olivia (Loreto Aravane) é uma atriz que se exaspera ao ser confundida com uma certa Lorena Ruiz. É assediada em seu celular e depois em sua própria casa, pois, parece, a tal Lorena fez muitas dívidas e agora os credores estão em sua cola. Isto é, na cola da pobre Olívia, que terá de descobrir como entrou nessa fria. Ainda por cima, a mãe de Olívia, Eleonora (a grande Paulina García, de Gloria) parece ter problemas de demência senil e exige a presença de uma cuidadora. 


O que se pode dizer é que o filme é bem conduzido e logra, em determinados momentos ao menos, produzir essa sensação de kafkaniana insegurança que a protagonista experimenta. Todo trabalho (literário ou cinematográfico) que se debruça sobre o tema do Doppelgänger, o duplo, invade, de fato, essa seara ingrata da identidade própria colocada como problema. Ora, a identidade moderna é sempre problemática, por pouco que pensemos nela. Hoje, quando os limites entre a vida pública e a vida privada parecem cada vez menos definidos, essa identificação de cada um consigo mesmo parece cada vez menos evidente. Quem sou eu senão a persona que projeto e os outros veem? 


É a grande questão, que tem desafio toda uma filosofia do simulacro e o filme passa por ela. Não se pode dizer que o faça com a profundidade e nem mesmo com a originalidade que tal tema pediria. Mas, ainda assim, Eu Não Sou Lorena é um trabalho interessante de se ver. É o primeiro longa-metragem da diretora Isidora Marras, de 27 anos, que não veio a Fortaleza porque está participando de outro festival.  

Tudo o que sabemos sobre:
Cine Cearáfestival de cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.