Downey Jr. sai da prisão com trabalho garantido

Graças a uma apelação surpreendente do tribunal californiano, no dia 2 de agosto o ator Robert Downey Jr. foi solto da Cadeia Estadual de Corcoran, após cumprir um ano de pena por envolvimento com drogas. O ator, que havia contado com grande apoio popular na época de sua prisão, continuou tendo suporte depois de solto. Principalmente do diretor Robert Altman, que já o havia dirigido em Short Cuts ? Cenas da Vida e The Gingerbread Man. Altman fez questão de repatriar Downey, e muito mais que isso, quer o ator em seu próximo projeto (ainda sem nome), um filme de época passado em Londres. Melhor ainda, o agente de Downey, Eduard Limato, confidenciou à revista americana Entertainment Weekly que no seu primeiro dia de soltura já havia recebido 35 ligações questionando a disponibilidade do autor. Por enquanto, Downey passa alguns dias numa clínica de repouso e recuperação para viciados em Los Angeles.Piedade - Do ponto de vista moralista da sociedade americana, Hollywood tem se mostrado, felizmente, flexível com os maiores ?pecados? de seus astros. É só lembrar da volta por cima de Hugh Grant depois de ter sido flagrado com uma prostituta em Los Angeles. Até Christian Slater, que já foi preso três vezes (e condenado uma) por porte de arma e drogas, consegue arranjar trabalho. Assim, seria muito injusto que a indústria cinematográfica condenasse Robert Downey Jr. ao esquecimento. Afinal, trata-se de um dos melhores atores jovens americanos da safra dos anos 90. Tem no currículo atuações esplêndidas (e bastante diferentes, confirmando sua versatilidade), como o repórter psicótico de Assassinos por Natureza (1994) ou o médico Robert Merivel em O Outro Lado da Nobreza (1995). Para não citar sua interpretação de Charles Chaplin em Chaplin (1992), pela qual foi indicado ao Oscar e ganhou da British Academy o prêmio de Melhor Ator. Limato e o produtor Mark Burg (que produziu o ator em The Gingerbread Man) acham que o ator deve encontrar maior facilidade em ser escalado para filmes independentes, pelo menos por enquanto. Segundo eles, os grandes estúdios estão menos predispostos a trabalhar com atores de ficha ?suja?. De qualquer forma, além do projeto de Altman, Limato estuda uma proposta do produtor Michael Mailler para o filme Empire, um drama criminal passado na América Latina. O produtor Scott Rudin também tem sondado o ator para diversos projetos futuros. Segundo ele, ?qualquer um com cérebro o contrataria?. Coincidentemente, todos são profissionais que já conheciam Downey de outros trabalhos ? o que também aponta uma necessidade de maior confiança para que as coisas dêem certo.Downey ainda está recluso desde sua liberação. Prefere não dar depoimentos à imprensa. Afastado, continua com sua recuperação e estuda as propostas calmamente junto à Limato. Seu agente também não confirmou qual seria a preferência de Downey como próximo filme.Curtis Harrison, que o dirigiu em Wonder Boys, acredita que Downey voltaria com força num papel dramático. ?Qualquer artista talentoso absorve algo da experiência em vida?, diz. ?Ele passou por um momento muito profundo, e tenho certeza de que isso terá o impacto perfeito no que diz respeito à sensibilidade e qualquer outra coisa que possa usar em futuros trabalhos?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.