Marvel Studios
Marvel Studios

'Doutor Estranho 2' enfrenta censura na Arábia Saudita por referência LGBTQ

Homossexualidade no país, cujo sistema Judiciário é regido por uma aplicação estrita da lei islâmica, pode chegar a ser punida com pena de morte; veja trailer

AFP, Redação

25 de abril de 2022 | 15h35

A Arábia Saudita pediu que a Disney elimine as "referências LGBTQ" do próximo filme de super-heróis da Marvel antes de sua estreia no país, explicou à AFP um responsável do governo nesta segunda-feira (25).

Segundo Nawaf Alsabhan, supervisor responsável pela classificação etária dos filmes na Arábia Saudita, até o momento a Disney se negou a editar "cerca de 12 segundos" do filme Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, protagozinado por Benedict Cumberbatch -, cuja estreia está prevista para o início de maio -  nos quais uma personagem lésbica, America Chavez (Xochitl Gomez), fala sobre suas "duas mães".

"É apenas ela falando de suãs mães, porque tem duas, mas no Oriente Médio é muito difícil passar algo assim", disse Alsabhan. 

"Enviamos a solicitação para a distribuidora e a distribuidora nos encaminhou para a Disney, mas a Disney não está disposta" a realizar as mudanças propostas, acrescentou Alsabhan, que negou as informações de que o filme seria proibido.

"Não foi proibido. Nunca será proibido. Não há motivos. É apenas uma simples edição (...) até agora se negaram mas não fechamos a porta, seguimos tentando", disse.

Questionado nesta segunda-feira, 25, sobre a polêmica, um funcionário da empresa de salas de cinema AMC Cinemas da Arábia Saudita disse que o filme havia sido "retirado" do catálogo de exibição.

Como parte do programa de reformas deste país ultraconservador, o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman levantou a proibição dos cinemas, em vigor há décadas, em 2017. 

Desde então, a venda de ingressos de cinema explodiu no país, com um aumento de 95% em 2021 em relação ao ano anterior, segundo a revista Variety.

A homossexualidade na Arábia Saudita, um país cujo sistema Judiciário é regido por uma aplicação estrita da lei islâmica, pode chegar a ser punida com pena de morte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.