EFE/EPA/Divulgação
EFE/EPA/Divulgação

Donald Trump diz que Meryl Streep é uma das 'atrizes mais superestimadas de Hollywood'

Presidente eleito dos Estados Unidos rebateu às críticas sofridas durante a cerimônia de entrega do Globo de Ouro, na noite de domingo, 8

O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2017 | 20h52

Sem saber como rebater às críticas contundentes feitas por Meryl Streep durante o discurso realizado na noite de domingo, 8, enquanto recebia um prêmio honorário no Globo de Ouro, Donald Trump preferiu desviar das acusações ao atirar de volta. “Ela é uma fã da Hillary”, disse o presidente eleito norte-americano, em entrevista ao The New York Times. Ele lembrou o apoio da atriz três vezes vencedora do Oscar à candidata democrata derrotada pelo republicano. 

Na 74.ª cerimônia de entrega do Globo de Ouro, Streep não foi a única a combater algumas das promessas ou comentários de Trump durante a campanha, principalmente no que diz respeito aos estrangeiros em solo norte-americano. Hugh Laurie, que levou o prêmio de melhor coadjuvante em minissérie, pelo seu papel em The Night Manager, foi irônico ao dizer que provavelmente aquele seria o último Globo de Ouro, já que a premiação é organizada pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood. “Não estou querendo ser sombrio, mas é que temos as palavras ‘Hollywood’, ‘estrangeiro’ e ‘imprensa’ neste nome”, disse. “Aceito este prêmio em nome de bilionários psicopatas de todos os lugares.” 

Meryl nem sequer citou o nome de Trump durante o seu discurso de pouco mais de cinco minutos de duração. “O que é Hollywood se não um monte de pessoas de outros países?”, questionou a atriz, ao lembrar atores ali presentes que não nasceram nos Estados Unidos, como Ryan Gosling, escolhido o melhor pelo filme La La Land – Cantando Estações. “Se deportássemos os estrangeiros, estaríamos só vendo futebol e artes marciais”, afirmou Streep. “E isso não é arte.” 

Curiosamente, Trump preferiu não responder a essas questões sobre o nacionalismo proposto em campanha. Além de ir ao Twitter escrever que Meryl Streep é uma das atrizes mais superestimadas de Hollywood – justamente o oposto do que a crítica diz, já que ela é considerada a melhor do ofício em seu tempo –, o presidente que passará a ocupar a Casa Branca em 20 de janeiro defendeu-se dos comentários a respeito do episódio em que imitou o repórter Serge Kovaleski, do The New York Times, que sofre de uma doença congênita. Disse que se tratava de uma “brincadeira”. Por fim, Trump afirmou não estar surpreso com a reação de pessoas chamadas por ele de “gente liberal do cinema”. 

 

 

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.