Divulgação
Divulgação

'Dona Flor' inspira o drama peruano 'Contracorrente'

Com sua delicadeza, filme de Javier Fuentes-Léon é poderoso. Ao falar do amor, faz um retrato da hipocrisia

REUTERS

07 Abril 2011 | 14h39

Contracorrente marca uma bem-sucedida estreia em longas do peruano Javier Fuentes-Léon, que também assina o roteiro. A história pode ser definida como o dia em que Dona Flor e Seus Dois Maridos encontra O Segredo de Brokeback Mountain - com ênfase na melancolia do segundo, ao invés da comédia do primeiro.

Contracorrente se passa num pequeno vilarejo no Peru, que parece perdido no tempo e no espaço. Não fossem algumas bugigangas tecnológicas, podia-se pensar que a história se passa há algumas décadas. Ao menos, a mentalidade local parece parada no passado remoto.

Quando o filme começa, o pescador Miguel (Cristian Mercado, de Che - Guerrilha) tem um romance com o fotógrafo e pintor Santiago (Manolo Cardona, de A mulher do Meu Irmão). Não seria nada demais, não fosse o primeiro casado com Mariela (Tatiana Astengo, de Pantaleão e as Visitadoras), que está grávida. A relação entre os dois sempre acontece ao longe, em praias isoladas, onde sozinhos podem viver o seu amor.

O pescador Miguel é um personagem com um conflito muito grande: apaixonado por Santiago e também por sua mulher, ele fica dividido entre o dever e seu coração. Na vila onde moram, o fotógrafo é visto com hostilidade, ninguém fala com ele e crianças atiram ovos em suas janelas.

Mas seu amor por Miguel é tão grande que, mesmo morto, ele continua aparecendo para o pescador - tal qual Vadinho para dona Flor. Porém, aqui não é como o romance de Jorge Amado, ou o filme de Bruno Barreto - não há espaço para risos no inusitado da situação. Santiago conta para Miguel que não consegue abandoná-lo, e o seu amante também não quer isso. É a situação ideal para Miguel: com o outro morto, pode viver seu romance e manter o casamento.

O diretor Fuentes-Léon dribla com criatividade as limitações orçamentárias. O cotidiano do vilarejo incorpora os temas que o diretor pretende discutir com seu filme - como o amor entre dois homens, a descoberta e aceitação da identidade de cada um. As pessoas com quem Miguel se relaciona no seu dia-a-dia (sua mulher, outros pescadores, seu filho) impulsionam a narrativa.

Mas o que traz força para essa história são seus personagens muito humanos e repletos de nuance. Desde o pescador que nem sempre sabe lidar com sua bissexualidade, até o fotógrafo bem resolvido, passando pela mulher de Miguel, que fica dividida entre o amor pelo marido e o preconceito enraizado em sua educação. Nessa educação, aliás, é estranho que homem veja novela - eles têm de gostar de futebol - por isso, Mariela dá um sorriso sem graça quando diz para as amigas que Miguel vê a reprise da brasileira "Direito de Amar" e gosta muito de Lauro Corona.

Ganhador de diversos prêmios, entre eles o de público do Festival de Sundance do ano passado, Contracorrente é, com sua delicadeza, um filme poderoso. Ao falar do amor, faz um retrato da hipocrisia. (Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

Mais conteúdo sobre:
Contracorrente Javier Fuentes-Léon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.