"Dois Filhos de Francisco" emociona em Gramado

Talvez não tenha havido, na história do Festival de Gramado, consagração mais absoluta que a de Zezé di Camargo e Luciano na noite de apresentação do filme sobre suas vidas, Dois Filhos de Francisco, de Breno Siveira. A chegada da dupla sertaneja ao Palácio dos Festivais foi cercada de histeria dos fãs, que tiveram de ser contidos por seguranças com físico de guarda-roupas e ares pouco amistosos. A dupla ocupou o palco, junto com outros atores do elenco como Angelo Antonio, Dira Paes, José Dumont, mas a dupla sertaneja era mesmo a dona da noite. Cantou para a platéia, antes da projeção do filme, que teve início por volta de meia-noite e meia. E a platéia cantou para eles, já que era aniversário de Zezé di Camargo, que assim ganhou seu Parabéns a Você entoado por cerca de 1.500 pessoas que superlotavam um cinema com capacidade para 1.100 bem acomodados. A sessão foi acompanhada com a intensidade com que se assiste a um jogo de futebol disputado. O público participava, aplaudia, cantava em cena junto com os intérpretes. E, no final, foi uma consagração, com muitos minutos de aplauso e as pessoas não querendo deixar a sala. Enfim, um grande acontecimento popular, que prenuncia êxito para o filme que estréia em todo o Brasil nesta sexta-feira, com cerca de 300 cópias. Aliás, pressentindo o tesouro que tem nas mãos, o alto comando da distribuidora do filme, a multinacional Columbia Pictures, inclusive seu diretor para a América Latina, Rodrigo Saturnino Braga, esteve em Gramado acompanhando o desempenho dos seus pupilos. Não tem do que se queixar. No capítulo emoções, a homenagem ao casal Tarcísio Meira e Glória Menezes com o troféu Oscarito também sensibilizou a platéia. Tarcísio estava afônico e pouco falou. Apenas o suficiente para dizer a melhor frase da noite: "Este é o Oscar que eu queria receber - o Oscar-ito", disse, depois de se confessar um fã do maior ator (ao lado de Grande Otelo) das antigas chanchadas da Atlântida. Glória Menezes recordou o fato de ser gaúcha de origem, embora criada em São Paulo, e estava mesmo muito emocionada, com voz trêmula e "cabeça atrapalhada" como disse. Enfim, um festival de cinema vive também dessas homenagens aos seus astros. Ambos participaram de clássicos do cinema brasileiro (Glória, de O Pagador de Promessas, de Anselmo Duarte, Tarcísio, de A Idade da Terra, de Glauber Rocha), embora tenham feito a maior parte da carreira nas novelas da TV Globo.Está ainda programada mais uma homenagem especial para esta edição do Festival de Gramado, a que vai conceder o troféu Eduardo Abelin ao diretor Hector Babenco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.