Divulgação
Divulgação

Doença de Alzheimer tem sido tema de obras marcantes no cinema

Na mesma linha de 'Para Sempre Alice', outros filmes também usaram a doença como tema; confira lista com algumas produções

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

12 Março 2015 | 09h17

Julianne Moore levou seu Oscar por Para Sempre Alice. Julie Christie quase repetiu seu prêmio da Academia por outra mulher que sofre de Alzheimer em Away From Her. Premiada em 1965 por Darling, a Que Amou Demais, de John Schlesinger, Julie virou uma estrela internacional, e um ícone dos anos 1960, como a Lara de Dr. Jivago, de David Lean. Nas décadas seguintes, tornou-se uma atriz bissexta, participando de poucos filmes. Em 2006, o papel de Fiona Anderson em Longe Dela lhe valeu 20 prêmios de associações de críticos nos EUA e na Inglaterra. Ela também foi indicada para o Oscar, o Globo de Ouro, o Bafta, o Spirit, mas não ganhou nenhum.

Como cinema, o filme de Sarah Polley é melhor do que o da dupla Richard Glatzer/Wash Westmoreland, que assina Para Sempre Alice. Sarah, ela própria atriz, conta a história dessa mulher que, após 44 anos de casamento, começa a desenvolver os sintomas de Alzheimer. Internada num clínica, ela não tem consciência do que ocorre com sua memória, mas, para o marido, o efeito é devastador, principalmente quando ele vê a mulher se ligar a um outro paciente.O grande diferencial de Para Sempre Alice é que a linguista interpretada por Julianne é diagnosticada precocemente com a doença aos 50 anos, e o mesmo ocorreu com um dos diretores, Glatzer, que não deixa de estar exorcizando o que sabe que vai ocorrer com ele. Considerando-se o tom até autobiográfico, é uma penas que o filme não seja intenso nem visceral como poderia ser.

Outro foco no Alzheimer de uma pessoa idosa foi proporcionado pelo austríaco Michael Haneke em Amor. O filme venceu a Palma de Ouro em Cannes e os Oscars de filme estrangeiro e roteiro. Interpretado por Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva, virou um sucesso planetário, mas longe de ser uma unanimidade. O inferno de um casal quando a mulher sofre de Alzheimer é mais sobre a misantropia do diretor do que sobre a doença.

Vários outros longas abordaram esse mesmo tema, veja a seguir uma relação com algumas dessas produções:

Amor - Direção de Michael Haneke. Com Jean-Louis Trintignant, Emmanuelle Riva, Isabelle Huppert

Diário de uma Paixão - Direção de Nick Cassavetes. Com Ryan Gosling, Rachel McAdams, James Garner, Gena Rowlands

A Família Savage - Direção de Tamara Jenkins. Com Laura Linney, Philip Seymour Hoffman, Philip Bosco

O Filho da Noiva - Direção de Juan José Campanella. Com Ricardo Darín, Norma Aleandro, Héctor Alterio

Iris - Direção de Richard Eyre. Com Judi Dench, Kate Winslet, Jim Broadbent

Longe Dela - Direção de  Sarah Polley. Com Julie Christie, Gordon Pinsent, Olympia Dukakis

Poesia - Direção de Lee Chang-Dong. Com Yoon Jung-hee, Kim Hira, Ahn Naesang

Mais conteúdo sobre:
CinemaJulianne Moore

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.