Neil Hall/Reuters
Neil Hall/Reuters

Documentarista Morgan Spurlock, de 'Super Size Me', diz que teve condutas sexuais impróprias

Pelo Twitter na noite de quarta-feira, 13, ele revelou que teve uma conduta sexual imprópria e que confessou: “Eu sou parte do problema”

Jill Serjeant, Reuters

14 Dezembro 2017 | 22h55

LOS ANGELES - O premiado documentarista norte-americano Morgan Spurlock escreveu no Twitter na noite de quarta-feira, 13, que teve uma conduta sexual imprópria, dizendo, “Eu sou parte do problema”.

O diretor de “Super Size Me – A Dieta do Palhaço escreveu em sua conta no Twitter que havia sido acusado no passado de estupro, entrou em acordo judicial por assédio sexual, foi infiel com esposas e namoradas e fez comentários sexistas em seu local de trabalho.

“Conforme eu me sento olhando herói após herói, homem após homem, cair pela compreensão de suas imprudências passadas, eu não me sento e imagino ‘quem será o próximo?’, eu imagino ‘quando virão atrás de mim?’”.

“Você vê, eu passei a entender após meses dessas revelações que eu não sou um espectador inocente, eu também sou parte do problema”, escreveu.

+++ Promotoria de Los Angeles cria equipe especial sobre assédios em Hollywood

Nos meses recentes, diversos homens poderosos no entretenimento, na política, na mídia e em empresas foram acusados de condutas sexuais impróprias ou abuso de mulheres, e alguns deles foram demitidos ou forçados a se demitir.

Spurlock, de 47 anos, escreveu que há cerca de oito anos entrou em acordo em um processo por assédio sexual feito por uma assistente que havia chamado de termos impróprios no escritório.

+++ Futuro da série 'The Ranch' está ameaçado após protagonista ser acusado de estupro

Ele disse ter sido “infiel com cada esposa e namorada que eu já tive” e que tem problemas com bebidas há 30 anos.

Spurlock venceu diversos prêmios por seu documentário de 2004, Super Size Me – A Dieta do Palhaço, no qual comeu somente comida do McDonald’s por um mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.