AP Photo/Kathy Willens
AP Photo/Kathy Willens

Documentarista D.A. Pennebaker viu o mundo mudar

Um dos criadores do cinema direto, filmou concertos de músicos e políticos para registrar a marcha da História

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2019 | 17h57

D.A. Pennebaker – as iniciais são de Don Allen – pertencia a uma geração mítica de documentaristas que mudou o formato nos anos 1960. Historiadores assinalam que o cinema nasceu, em 1895, reproduzindo a realidade com o trem dos irmãos Lumière, só anos mais tarde, em 1902, abraçando a ficção com Viagem à Lua de Georges Méliès. Não é bem assim, e os Lumière, misturando documentário e ficção, fizeram incontáveis versões de trens, estações e jardineiros molhados por suas mangueiras, buscando efeitos cômicos. Mas havia um problema para quem queria ‘capturar’ a espontaneidade do real. As câmeras sempre foram pesadas e os sistemas de captação de som, complicados. Isso começou a mudar quando as câmeras foram ficando menores, portáteis. Não apenas – câmeras passaram a acoplar gravadores.

Com a câmera na mão, os autores da Nouvelle Vague e do Cinema Novo reinventaram a ficção, mas isso também se refletiu no documentário. No começo dos anos 1960, Pennebaker fez história ao fundar com Richard Leacock e Robert Drew a Drew Associates. Usando a tecnologia de ponta – e em sintonia com o espírito da época –, criaram o que chamaram de ‘cinema direto’, transformando performers musicais e políticos em personagens de seus documentários. Nos anos 1950, o rock começara a mudar o comportamento da juventude. Nos 1960, a pílula e a minissaia deflagraram uma revolução sexual embalada pela música. Pennebaker, Leacock e não apenas eles – os irmãos Maysles também – passaram a documentar os grandes concertos de rock.

Pennebaker morreu na quinta, 1.º, em casa, em Long Island, mas o anúncio foi feito no sábado, 3. Tinha 94 anos. Em 1960, há 59 anos, seguiu com sua câmera o jovem John Fitzgerald Kennedy que tentava se eleger presidente dos EUA, e fez um clássico – Primárias. Em 1965, o objeto de sua atenção era Bob Dylan, durante a turnê pela Inglaterra. Don’t Look Back (A Caminho do Leste) foi lançado em 1967. Dylan, Joan Baez. Don’t Think Twice, It’s All Right; It’s All Over Now, Baby Blue. Em 2007, Pennebaker agregou material e lançou 1965 Revisited. Em 1969, surgiu Monterey Pop, o primeiro grande festival – e ele era um dos diretores. Jimi Hendrix e Wild Thing, Janis Joplin, Ball and Chain. A música e o cinema nunca mais foram os mesmo desde então.

Tudo o que sabemos sobre:
documentáriocinemaD.A. Pennebaker

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.