Jacky Naegelen Reuters
Jacky Naegelen Reuters

Documentários sobre Léa Freire e Sinéad O’Connor são destaques do In-Edit 2022

Com um total de 67 títulos, entre curtas e longas, filmes nacionais e internacionais, festival ocorre até dia 26, em formato híbrido

Luiz Carlos Merten , Especial para o Estadão 

15 de junho de 2022 | 05h01

Nos últimos anos, ela tem mudado de nome. Sinéad O’Connor virou Magda Davitt, converteu-se ao islamismo e trocou de novo de nome, para Shuhada’ Sadaqat. Em janeiro deste ano, viveu a que talvez seja a maior tragédia de sua vida. O filho Shane, de 17 anos, sofria de depressão. Desapareceu por dois dias e apareceu morto. Uma semana mais tarde, Sinéad foi internada para tratar o próprio colapso nervoso. 

Cantora e compositora irlandesa, Sinéad O’Connor prescinde de apresentação. Teve atitudes fortes, polêmicas, como quando rasgou a foto do papa João Paulo II, em protesto contra casos de pedofilia na Igreja. O documentário que abre o 14.º In-Edit Brasil nesta quarta, 15, é sobre ela: Nothing Compares, de Kathryn Ferguson. Sessão começa às 20h30, no Cinesesc. 

Mas há outro documentário no festival, e esse talvez venha a ser o grande destaque de toda a programação. É sobre uma grande, imensa artista brasileira que talvez necessite de apresentação. 

Biscoito fino

Léa Freire é um daqueles biscoitos finíssimos a que se referia Oswald de Andrade quando falava de cultura. Pianista, flautista, compositora, exercita-se no território da música instrumental. Léa já tocou com grandes nomes, mas eles é que se congratulam por se apresentar com ela. 

A Música Natureza de Léa Freire terá apresentações neste domingo, 19, às 16 h, no Cine Olido, sessão com a equipe, seguida de show com a Banda Mantiqueira. Terá mais duas sessões. Na quarta, 22, às 20h30, no Cinesesc, de novo com a equipe, e na quinta, 23, às 19 h, na Spcine Roberto Santos. Lucas Weglinski é o diretor. Você sabe quem é. Fez o documentário sobre os 60 anos do Teatro Oficina, Máquina do Desejo

Como uma artista do tamanho de Léa permanece secreta? Durante toda a vida, exercitando-se num território tão masculino como o da música instrumental, Léa conheceu o preconceito. “Já ouvi que mulher não devia se apresentar na noite, que mulher não compõe. Antes, quando mostrava minha música, era tímida. Quando me perguntavam ‘Quem compôs?’, ficava paralisada, sem resposta. Agora já perdi minha paciência. ‘Foi a sua mãe!’ Fiquei desbocada.” E Léa solta a risada que é sua marca. Ainda garota, foi amadrinhada por Alaíde Costa. Alaíde dá seu depoimento. “Acolhi a Léa na minha casa. A gente chegou a se apresentar num projeto social, tocava para adolescentes em prisões juvenis.” Até hoje Léa segue com projetos sociais. 

O diretor resgata imagens captadas há décadas por Rita Moreira. Rita quem? “É uma grande documentarista que hoje, infelizmente, está esquecida.” Lucas utiliza duas vezes imagens daqueles jovens - Pixotes? A música transforma. Transformou a própria Léa. A música levou-a pelo mundo. Aos EUA. Um de seus admiradores é Keith Underwood, considerado um mago da flauta. Para ele, Léa compôs Vento em Madeira, uma peça instrumental belíssima, e difícil, que Léa tira de letra ao piano. Ela dá sua receita: “Treino em casa todo dia, oito horas, para que depois no palco, com os amigos, a música possa ser alegria, confraternização”. Léa estudou Administração. Fundou em 1997 o selo Maritaca, que virou referência. 

No filme, Léa se apresenta com outros artistas, homens e mulheres. Algumas criam personas no palco. Belas, exóticas. Léa não liga para essas coisas. “Nunca liguei, e agora menos ainda.” Você olha para aquela senhora e não imagina que ela domine o palco com tanta desenvoltura. “Não é fácil ser mulher e dividir o palco com os homens”, diz ela.

Híbrido 

Com um total de 67 títulos, entre curtas e longas, filmes nacionais e internacionais, o 14º In-Edit ocorrerá de 15 a 26, em formato híbrido. Será presencial em São Paulo e online para todo o Brasil. 

As atrações brasileiras incluem documentários, além do de Léa, sobre, e com, Belchior, Sidney Magal, Garotos Podres, o rapper Alan. Entre os destaques do Panorama Mundial, além de Sinéad, prepare-se para ver Tina Turner, Rick James, A-ha, Thelonious Monk, Dinosaur Jr. 

Vale a pena ver 

Belchior - Apenas um Selvagem

Longa de Natália Dias e Camilo Cavalcanti retrata o artista com diversas imagens de arquivo e depoimentos dele.

Manguebit

Jura Capela mostra como um movimento estético, vindo do mangue, deu visibilidade à periferia do Recife.

Secos & Molhados

Integrante do famoso grupo, João Ricardo conta a sua história a Otávio Juliano.

Nothing Compares

A turbulenta vida da cantora Sinéad O’Connor inspira o filme de Kathryn Ferguson.

Tina

Tina Turner se despede da vida pública com este relato íntimo assinado por Daniel Lindsay e TJ. Martin.

 

 

SERVIÇO:

In-Edit Brasil - 14º Festival Internacional do Documentário Musical

De 15 a 26 de junho.

(Sessões “Bônus Track”: 27 a 29 de junho, no CineSesc.)

www.in-edit-brasil.com

@ineditbrasil

Classificação indicativa: 10 anos para toda a programação, exceto Other, Like Me (16 anos) e Lydia Lunch: The War Is Never Over (12 anos).

 

Salas do Festival - São Paulo (presencial)

@ CineSesc: R$ 24, R$ 12 (meia), R$ 8 (credencial plena Sesc), entrada gratuita em sessões específicas.

@ Cinemateca Brasileira: entrada gratuita.

@ Circuito CCSP - Lima Barreto: entrada gratuita.

@ Cine Bijou: entrada gratuita.

@ Spcine Roberto Santos: entrada gratuita.

@ Spcine Cidade Tiradentes: entrada gratuita.

@ Sala Olido: entrada gratuita.

@ Sala São Paulo: entrada gratuita. 

Plataformas Online do Festival

@ in-edit.tv: acesso gratuito

@ Itaucultural Play: acesso gratuito.

@ Sesc Digital / Cinema #EmCasaComSesc: acesso gratuito.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.