Documentários focalizam cultura caiçara

Começa nesta terça-feira no Museu da Imagem e do Som (MIS), às 21 horas, a mostra Arquitetura em Tela, que reúne produções em vídeo feitas pelo laboratório de vídeo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP. Os destaques do evento serão o lançamento de Vida Caiçara, de Luiz Bargmann Netto, e a exibição de Velhas Paredes de Pedra e Cal, Ruínas no Tempo, de Rose Moraes Pan e Sílvio Luiz Cordeiro."De uns tempos para cá, nossa equipe decidiu produzir não apenas vídeos que trouxessem temas muito específicos. Queríamos mostrar documentários não-didáticos", conta Luiz Bargmann Netto, um dos documentaristas do laboratório da FAU. Os vídeos que a equipe, formada por 5 pessoas, começou a produzir após essa decisão logo começaram a se destacar. Taipa de Mão, Casa de Caboclo ganhou o prêmio de melhor vídeo universitário da 2ª Mostra de Vídeos do MIS de 1998. Além disso, o documentário já foi exibido na TV Cultura.Velhas Paredes de Pedra e Cal, Ruínas do Tempo, com duração de 18 minutos, conta um pouco da história da ocupação humana na região de Cananéia, litoral sul de São Paulo. Através das imagens de ruínas coloniais de casas de pedra e cal e depoimentos de caiçaras, um modo de vida particular e distante é revelado aos espectadores.Vida Caiçara mostra os depoimentos de moradores das áreas de preservação ambiental, no litoral sul de São Paulo. Os habitantes relatam como a força das leis de proteção ambiental mudou a cultura da região. O vídeo tem duração de 27 minutos. "Esse vídeo tem um caráter polêmico porque gera a discussão", diz Bargmann.Os dois documentários demoraram cerca de dois anos para serem finalizados. Cada vídeo produzido consumiu em média R$ 15 mil, financiados pela USP. A idéia de Velhas Paredes de Pedra e Cal, Ruínas do Tempo foi a primeira a surgir. Quando a equipe foi pré-produzir o documentário, logo perceberam que havia material para duas histórias diferentes. Nascia então o projeto de Vidas Caiçaras. A equipe do laboratório da FAU já tem um novo projeto em vista, um documentário sobre o Vale do Paraíba. A produção deve ficar pronta em junho de 2001.Nesta terça, após a exibição dos dois vídeos, haverá um debate sobre Questões da Produção Audiovisual na Universidade, com a participação de Sheila Walbe Ornstein (Vice-Diretora da FAU-USP), Marília Franco (ECA-USP/TV-USP), Dario Vizeu (Consultor Cultural da TV Cultura), Lucila Meireles (videomaker), além da participação do próprio Luiz Bargmann. Antecipando sua opinião sobre o tema, o documentarista conta que ainda falta às universidades produzir uma material mais acessível ao público. "A universidade não tem uma política audio-visual. Falta produções voltada para a sociedade", aponta.Confira a programação:Dias 18, 20, 22Vida Caiçara Taipa de Mão, Casa de Caboclo Heliópolis Júlio Guerra, Um Artista Urbano Conjunto Habitacional São Luís - São PauloA Construção do Texto e do Contexto em São Paulo Dias 19 e 21Velhas Paredes de Pedra e Cal, Ruínas no Tempo Percepeção da Paisagem Urbana Esculturas Lúdicas - Intervenção no Urbano com as Sucatas que a Cidade Abandona Claúdio Tozzi Arquitetando Imagens: o Marketing ImobiliárioArquitetura em Tela - Abertura, dia 17 de outubro, às 21h. De 18 a 22 de outubro, às 18h. MIS - Av. Europa, 158. Tel: 280-0896.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.