Divulgação
Divulgação

Documentário sobre o Ku Klux Klan é cancelado depois de descoberta de propina

Série intitulada 'Geração KKK' mostrava a vida de quatro destacadas famílias do Klan

EFE

26 Dezembro 2016 | 18h25

WASHINGTON - A emissora norte-americana Arts and Entertainment (A&E) decidiu cancelar um reality show sobre o Ku Klux Klan menos de uma semana antes da estreia.

O jornal The Washington Post afirmou nesta segunda-feira que um porta-voz de A&E que indicou que a decisão foi tomada após a notícia que os produtores do programa, que não são funcionários da rede de televisão a cabo, tinham efetuado pagamentos para "garantir" acesso aos participantes do grupo racista.

Pagar os participantes viola a política da emissora. A primeira temporada da série, de oito capítulos, iria estrear no início de janeiro. Após o anúncio, muitos criticaram a A&E por considerar que um programa desse tipo proporcionaria uma visão de "normalidade" sobre o grupo racista.

Segundo a emissora, a finalidade do programa era apresentar um olhar sério e próximo dos esforços de setores que fomentam a tolerância por "ajudar as pessoas a abandonar o Ku Klux Klan", um grupo racista que historicamente fomentou o ódio e a violência contra os afro-americanos e outras minorias nos EUA.

"Tínhamos garantido ao público e aos parceiros fundamentais, como a Liga contra a Difamação, que não pagamos membros de grupos de ódio e achávamos que era assim quando fizemos", disse a emissora.

Apesar de algumas redes de televisão aceitam que as produtoras paguem os participantes de seus reality show, a A&E disse não permitir essa prática quando o programa tem personalidade de documentário.

A série, intitulada Geração KKK, mostrava de dentro do grupo a vida de quatro destacadas famílias do Klan e um dos membros tenta abandonar a organização racista.

De acordo com os críticos da série, a estreia em janeiro seria especialmente inoportuna depois das eleições de novembro, vencidas pelo republicano Donald Trump, que defendeu um discurso nacionalista, contrário à imigração e às minorias.

Após o pleito, foram vários os ataques de grupos neofascistas contra imigrantes, hispânicos, muçulmanos, negros e homossexuais, atribuídos pelas organizações sociais ao tom do discurso do presidente eleito durante a campanha. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.