Documentário sobre eleições nos EUA faz sucesso na internet

'Mr. Schneider Goes to Washington' foi visto 45 mil vezes em 4 dias, informa a produtora Fruckis Chuck Films

EFE,

08 de setembro de 2018 | 18h13

Um documentário independente de tom crítico ao sistema de financiamento dos candidatos à Presidência dos EUA faz sucesso na internet, onde foi visto mais de 45 mil vezes em quatro dias, informou hoje a produtora Fruckis Chuck Films. O filme intitulado Mr. Schneider Goes to Washington estreou na última sexta no site YouTube, no qual pode ser visto gratuitamente. Veja tambémVeja 'Mr. Schneider Goes to Washington'  Com este trabalho, o responsável pelo projeto, Neil Schneider, afirmou que deseja conscientizar o maior número de americanos sobre como os fundos particulares que sustentam as campanhas dos senadores John McCain e Barack Obama, e as possíveis conseqüências deste modelo de financiamento na gestão do futuro Governo.Schneider afirmou que os candidatos estão dispostos a comprometer seus ideais para vencerem as eleições, por isto não se pode esperar que uma vez escolhidos mudem o sistema "a menos que todos se envolvam mais em política", declarou.O documentário sugere que McCain se esquivou de diversas leis e regras de financiamento da campanha eleitoral para aumentar sua capacidade de arrecadação, incluída uma norma proposta por ele mesmo, a McCain-Feingold.O autor critica Obama por rejeitar os fundos públicos federais disponíveis para custear despesas das campanhas presidenciais e que, apesar de obterem muitas pequenas contribuições, está em dívida com grandes doadores, declarou.No filme se indica que mais da metade de seus fundos provêm de apenas 7% de seus contribuintes.Schneider, que declarou que nunca esteve envolvido em política, decidiu começar este projeto há quase quatro anos, quando abandonou seu trabalho como produtor do programa de televisão América's Next Top Model e usou seu tempo e dinheiro para elaborar o documentário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.