Documentário sobre crise desbanca 'Lixo Extraordinário' no Oscar

"Trabalho Interno", um filme que responsabiliza as instituições financeiras pela pior crise financeira mundial desde a Grande Depressão, ganhou o Oscar de melhor documentário neste domingo. O filme desbancou "Lixo Extraordinário", que acompanha um projeto social do artista plástico brasileiro Vik Muniz com catadores de um lixão do Rio de Janeiro.

REUTERS

28 de fevereiro de 2011 | 00h48

O prêmio foi para o diretor e produtor Charles Ferguson, que recentemente ganhou o prêmio de documentário do Sindicato dos Diretores dos Estados Unidos, e Audrey Marrs, produtora.

Ferguson se autodenomina um "sabichão da política" e tem doutorado em ciência política. Ele entrevistou administradores de fundos financeiros, chefes de bancos centrais e assessores políticos para seu filme. As entrevistas revelaram uma relação promíscua entre a academia e os fundos hedge.

"Lixo Extraordinário", uma co-produção Brasil-Reino Unido, mostra o trabalho social do consagrado Vik Muniz com catadores do lixão de Gramacho, em Duque de Caxias, considerado o maior da América Latina. O catador Sebastião Santos, líder da cooperativa de Gramacho, compareceu à cerimônia do Oscar.

Os outros documentários indicados foram "Exit Through the Gift Shop", "Gasland" e "Restrepo".

O Oscar de documentário de curta-metragem foi para "No More Strangers", um filme sobre filhos de imigrantes em uma escola em Tel Aviv.

(Reportagem de Dean Goodman)

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEOSCARDOCUMENTARIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.