Focus Features via AP
Focus Features via AP

Documentário sobre Anthony Bourdain é um 'ato de terapia'

Filme sobre famoso chef gastronômico busca entender razões de seu suicídio

Jaki Coyle, AP

15 de junho de 2021 | 07h47

Quando o cineasta Morgan Neville começou a fazer um documentário sobre Anthony Bourdain, o falecido chef e apresentador de televisão itinerante, uma das primeiras coisas que fez foi vasculhar todas as músicas que Bourdain já havia mencionado. Ele criou uma playlist de 18 horas e meia e a chamou de “Tony”.

Neville, diretor do retrato de Fred Rogers Você Não Será Meu Vizinho? e o vencedor do Oscar 20 Feet From Stardom, estava determinado a abordar Bourdain através de um prisma diferente de sua morte. A música era apenas uma pequena parte disso. Mas foi um começo para fazer de Roadrunner: A Film About Anthony Bourdain uma celebração da vida de Bourdain. Não é um inquérito forense. Não é um elogio. Era outono de 2019, quando Neville começou. A morte de Bourdain, em junho de 2018 por suicídio , ainda era recente. Para muitos, ainda é.

Roadrunner estreou no fim de semana no Festival de Tribeca, em Nova York, dias após o aniversário de três anos da morte de Bourdain. Apenas a estreia do trailer do filme provocou uma onda de emoção - e milhões de visualizações em poucos dias, uma raridade para um documentário - mostrando quantos ainda estão de luto pela perda de Bourdain.

“Passei a pensar no filme como um ato de terapia para o público”, disse Neville, em uma entrevista. "Eu acho que, para as pessoas que só conhecem Tony como fãs, como eu, havia apenas um ponto de interrogação gigante pairando sobre sua vida por causa de sua morte. Como poderia Tony Bourdain se matar? Isso ainda é algo que as pessoas estão lutando."

“Roadrunner”, que a Focus Features vai lançar nos cinemas em 16 de julho, vai responder a essa pergunta preenchendo um retrato mais completo de Bourdain. Ele dá uma nova visão e contexto para o fim de Bourdain, seguindo o arco de sua vida - ou, mais especialmente, sua segunda vida. Depois de anos trabalhando como chef em Nova York, o livro Cozinha Confidencial (Companhia das Letras) de Bourdain o catapultou para a fama na meia-idade. Em “Parts Unknown” e outros programas de viagens longínquos que se banqueteavam não apenas com alimentos indígenas, mas com um amplo espectro de cultura, história e paixões compartilhadas, Bourdain se tornou um improvável ícone da televisão.

Quando Bourdain foi encontrado morto aos 61 anos em seu quarto de hotel em Estrasburgo, França, foi chocante porque poucos pareciam tão famintos pela vida ou apreciadores de tudo o que vale a pena saborear. Neville passou os primeiros meses de rodagem sem lidar com o capítulo final de Bourdain. Quando finalmente se voltou para ele, não encontrou respostas fáceis.

“A maneira como comecei a pensar sobre isso é: Tony era um buscador”, diz Neville. “Mas se você realmente está sempre procurando e sempre curioso, pode se perder. Ele tinha uma tatuagem que fez tarde na vida que dizia em grego 'Não tenho certeza de nada'. Isso soa muito zen, mas também é um pouco triste. Se você realmente não tem certeza de nada e está sempre procurando por algo, significa que está deixando tudo para trás a todo momento. Acho que, para Tony, esse desenraizamento, em última análise, o desconectou das coisas sobre as quais ele deveria ter certeza, como o amor das pessoas ao seu redor.”

Assista ao trailer:

As entrevistas para o filme são consideradas por Neville as mais difíceis que já fez. Muitas pessoas próximas a Bourdain estavam falando sobre sua morte pela primeira vez. “Havia apenas essa sensação de trauma de grupo com a qual as pessoas ainda estão lidando”, disse Neville. “Não acho que ninguém estava ansioso para falar comigo, francamente. Não é como: 'Oh, ótimo!' Eles sabiam que seria difícil. Várias pessoas disseram que seria a última vez que falariam sobre isso. Acho que havia essa sensação de: Deixe-me dizer uma vez, para que fique registrado.”

Isso inclui entrevistas com a ex-mulher de Bourdain, Ottavia Busia, os amigos chefs Éric Ripert e David Chang, os produtores de TV Lydia Tenaglia e Christopher Collins e os músicos John Lurie e Josh Homme. Homme, do Queens of the Stone Age, gravou uma música para o filme. Há filmagens retiradas de “Parts Unknown”, revelando as próprias histórias de Bourdain no Instagram, que deram uma pequena janela em seu turbulento último ano. Neville não falou com algumas figuras-chave daquela época, incluindo o cineasta de longa data Zach Zamboni, que Bourdain despediu naquele período sombrio, nem com a cineasta italiana Asia Argento, cujo relacionamento tumultuado de dois anos com Bourdain para muitos pairou sobre sua morte.

Neville estava mais interessado em se concentrar nas escolhas que Bourdain mesmo fez e na jornada que levou ao seu trágico fim. Para ele, um entendimento completo só pode ser evasivo. Mas ele suspeita que Bourdain se sentiu cada vez mais sem raízes depois de sua separação de Busia - quando qualquer aparência de vida doméstica diminuía, ele ficava cada vez mais desconectado de quem era e do que significava para as pessoas - incluindo sua filha. Também acreditava que tinha ficado muito tempo na estrada.

“Quando me sentei pela primeira vez com as pessoas próximas a ele - seu empresário e seus parceiros de produção -, eu meio que continuei meu discurso sobre por que ele era alguém que era um campeão da cultura e o que nos conecta”, disse o diretor. “E eles disseram: 'Sim, é verdade. Mas ele também era um menino imaturo de 15 anos.' Pensei, OK, isso é interessante. Isso se tornou o ponto crucial da produção do filme - reconciliar alguém que era tão perspicaz, mas também tão cego para algumas coisas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.